Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A caixa que já foi mágica

Um blog de opinião sobre a televisão portuguesa

O seu a seu dono

No domingo, a SIC apresentou mais uma gala dos Globos de Ouro, a 17.º, em dia de final da Taça de Portugal de futebol e de A Tua Cara não me Estranha. O resultado foi um fraco 5.º lugar nas audiências do dia, atrás da concorrência.

 

Numa gala relativamente boa foram entregues os prémios nas várias categorias: teatro, cinema, música, moda e desporto. É digno que se premeiem todas estas áreas, mas que importância tem um globo de ouro a não ser naquela noite? São poucos os que se vangloriam de o ter ganho e ainda menos aqueles que o tomam como "selo de qualidade".

 

Mas a surpresa da noite foi guardada para o final, como sempre, com a entrega do globo Mérito e Excelência. Francisco Pinto Balsemão foi o contemplado deste ano: o dono do canal onde é emitida a gala, o dono da revista que prepara a gala, o homem que paga todo o espetáculo e o homem que paga os próprios globos.

 

Que valor tem este prémio? Não que Balsemão não mereça reconhecimento, até porque, através da SIC, apoia algumas das categorias que premeia, ainda assim não deixa de ser descabido.

 

O antigo primeiro ministro podia muito bem ser homenageado sem ter recebido um globo. No fundo, foi um prémio dado a si, indiretamente por si.