Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A caixa que já foi mágica

Um blog de opinião sobre a televisão portuguesa

Milagre de 13 de maio

   

facebook.jpg

 

ines.jpg

 

   

   Há qualquer coisa de especial no Festival da Eurovisão deste ano. Não sei se vamos vencer mas a verdade é que, desde o ano em que a Vânia Fernandes nos representou, que não sentia tanta esperança num excelente resultado do nosso país.

 

   Eu acredito num novo milagre a 13 de maio, mas desta vez do Salvador. Não será uma aparição, mas não ficará muito longe. A música, pelo menos, é mágica!

 

   A RTP decidiu fazer uma pausa na Eurovisão. Essa pausa teve o efeito esperado dos anos sabáticos dos jovens adultos, que estão prestes a ingressar no ensino superior. A RTP pensou e repensou o formato apresentado ao público, desafiou grandes intérpretes e grandes compositores e o resultado foi melhor do que o esperado, tanto pelo público como pelos próprios responsáveis da RTP. Sim, porque duvido que alguém acreditasse que o Festival da Canção tivesse este impacto no público português, há muito desligado destas andanças.

 

   Vamos a Kiev com uma canção extraordinária. Uma canção que me deixou apreensiva, por achar que não se encaixava neste novo formato da Eurovisão: cheio de espetáculo, luzes, cores, milhões de pessoas e a esperança de se ouvirem novos grandes hits. Todos sabemos que “Amar pelos dois” não é um grande hit, é antes uma grande canção e, por isso mesmo, tem todo o mérito por ter chegado até aqui.

 

   Pessoalmente, não suporto a voz da Luísa Sobral e acho-a extremamente irritante. Talvez isso me tenha afastado da música desde o início. Não torci para que ganhasse, mas fiquei feliz por ver o envolvimento dos portugueses na votação e no apoio à música.

 

   O Festival da Eurovisão renasceu em 2017 no nosso país e isso é bom. Principalmente para quem sonha um dia assistir a este grande espetáculo, no Meo Arena (Eu!). Comecei o texto a dizer-vos que sinto que “há qualquer coisa de especial” na edição deste ano. Eu sinto que tudo se está a conjugar para uma grande vitória do nosso país. E querem saber porquê? Portugal nunca consegue grandes vitórias sem grandes tristezas. Vejamos o exemplo da conquista do Europeu de futebol, no ano passado, com Cristiano Ronaldo a sair lesionado, na final que sempre quis jogar e vencer. Tivemos de roer demasiadas unhas para chegarmos até ali e acreditar, muito, que mesmo sem Ronaldo iríamos conseguir. Temos sempre heróis improváveis nas nossas grandes vitórias, vejam o caso do Éder, um jogador que passou, e passa, despercebido no futebol, mas que foi o grande herói da Seleção Nacional em França.

 

 

   Salvador Sobral é o nosso Éder e o nosso Ronaldo. Vai lesionado, é um outsider, mas leva consigo uma grande “equipa” (entenda-se MÚSICA). Vamos ganhar? Não sei… somos demasiado pequenos. Mas se sairmos derrotados, sabemos que, pelo menos, fomos com tudo para vencer.

 

   Artigos relacionados: A concorrência de Salvador ; Final Inteligente.

   

facebook.jpg