Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Um blog de opinião sobre a televisão portuguesa

Último cartuchos

facebooknovo.jpg

 

   RTP1, SIC e TVI lançaram os últimos cartuchos de 2017 no que toca ao entretenimento. 

 

   Aqui pode ler a opinião sobre os novos programas das generalistas.

 

36990009603_ee68de1237_o.jpg

 

cosido.jpg

 

   A RTP1 apostou, recentemente, no programa "Cosido à Mão". Apresentado por Sónia Araújo, o formato é uma competição entre costureiros amadores que transformam ou criam roupas ao longo de cada programa. O obejtivo é eleger o melhor costureiro amador de Portugal.

 

   As primeiras emissões não me deixaram surpreendido, nem desiludido. É uma clara inspiração no "Project Runway", que já teve uma versão portuguesa no canal do Estado, embora no versão bem mais minimalista. É, portanto, pior.

 

   Contudo, não deixa de estar bem feito. À primeira vista os concorrentes parecem-me bons para a televisão, mas nem tanto para a costura. Sónia Araújo esteve bem, tornando-se de novo num rosto capaz de dar "descanso" (ambas estão no ativo) a Catarina Furtado e Sílvia Alberto.

 

   Os jurados, Paulo Battista e Susana Agostinho, são a escolha certa para o papel. Interventivos, expressivos e com conhecimento de causa.

 

mw-1240.jpg

 

impro.jpg

 

   D´Improviso chegou, viu e venceu. Num formato original da SIC e da produtora Shine Iberia, o programa apresentado por César Mourão centra-se no humor de improviso. 

 

   É, também ele, uma inspiração naquilo que o humorista já faz na manhãs da Rádio Comercial, nos espetáculos ao vivo dos "Commedia à lá Carte" e também no "Vale Tudo". 

 

   O formato é leve e bem disposto, só não sei se terá a vitalidade e o necessário para se aguentar muito tempo no ar com bons resultados. É bom, mas falta qualquer coisa. Percebi isso na primeira emissão. Começou muito bem, com o momento em que Bento Rodrigues esteve presente. Depois, foi sempre a descer em qualidade e em graça.

 

   Ainda assim, valeu o esforço. 

 

x23621256_1849874951719869_6472669823673585695_n.j

 

nunca.jpg

 

   "Nunca Digas Nunca" é mais um formato original, mas que de original tem muito pouco. Escolhido para as tardes de sábado da TVI, o programa é apresentado pela dupla Pedro Teixeira e Ana Sofia Martins. O canal de Queluz refresca, assim, a antena com dois rostos jovens e capazes.

 

   O programa em si, não trás nada de novo. É uma mistura de "Agora É Que Conta", que Fátima Lopes apresentou na sua chegada à TVI, e o "Cante Se Puder", que César Mourão assumiu juntamente com Andreia Rodrigues na SIC.

 

   Tem um belíssimo cenário, tem ritmo e fez com que a TVI abdicasse das repetições aos sábados. 

 

   Dá para o gasto, até venceu as audiências na primeira edição. Contudo, não me parece que tenha grande longevidade. Basta a SIC apostar em bons filmes e a RTP ter um "Aqui Portugal" mais interessante para o caso mudar de figura.

 

 

goucha.jpg

 

   

masterchef.jpg

 

   O "Masterchef Júnior" regressou à TVI sem grandes novidades e logo a perder para a SIC.

 

   Sinceramente, não sou apreciador desta versão infantil. Sendo mais papista que o Papa, faz-me confusão ver miúdos a mexer em utensílios de cozinha, como facas, quando sempre me lembro de ouvir em criança para não mexer nelas. Mas esta é apenas uma opinião muito pessoal.

 

   A versão portuguesa do programa de cozinha é boa. Sempre foi. Manuel Luís Goucha, como jurado, dá um brilho especial ao formato.

 

   Provavelmente, a TVI já abusou do "Masterchef". Fez a versão "famosos", que em termos de audiência não correu assim tão bem, fez várias versões com anónimos e duas versões com crianças. O programa demonstra desgaste e é preciso saber parar. A versão "Júnior" deve ter vindo clarificar isso mesmo.

 

   Em suma, "já se inventou tudo em televisão". Nestes casos em específico, existe uma qualidade superior ao habitual o que não deixa de ser um bom sinal.

 

facebooknovo.jpg

 

 

 

Mal agradecida

Jorge Gabriel tem razões para não estar contente com a RTP. Sem que nada o fizesse prever, a direção do canal retira o apresentador da Praça da Alegria e coloca-o a fazer uma "perninha" de quatro horas nas tardes de sábado. Passa assim a ter menos cerca de 11 horas semanais de antena.

 

Confesso que não só fã do estilo mas Jorge Gabriel não merecia isto. Esteve sempre lá quando o canal precisou: mudou-se para o Porto quando lhe propuseram o programa da manhã, apresentou concursos de cultural geral em Lisboa ao mesmo tempo que vivia no Norte e foi sempre um bom profissional. Não sou fã, mas Jorge é um bom apresentador de televisão.

 

Na mesma situação está Sónia Araújo. Obviamente que também não merecia este futuro na RTP. O percurso da apresentadora não foi fácil. Ao longo dos anos teve dois colegas que não lhe permitiram ser parte de uma dupla, apenas coadjuvante. Manuel Luís Goucha chegou a admitir que nunca a deixou brilhar e Jorge Gabriel "apaga-a" constantemente, apesar de o fazer menos atualmente. Sorrateiramente Sónia impôs-se sem nunca se queixar. Já foi tarde, mas em 2009 conseguiu mesmo que o canal lhe desse, e bem, um programa em horário nobre.

 

Os dois vão apresentar Aqui Portugal, um programa em direto e feito no estúdios do Porto. É pouco para quem deu o que pôde ou ate mais a um canal que agora foi mal agradecido com os dois.

 

Houvesse dinheiro de outros canais e, pelo menos Jorge Gabriel, fazia as malas e mudava-se. Há mesmo informações de que a TVI está interessada, falta-lhe o mais importante nesta altura.