Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Um blog de opinião sobre a televisão portuguesa

"Juntos Por Todos"

   

facebook.jpg

 

juntosportodos_Capa.jpg

 

   Esta terça-feira (27/06), a RTP1, a SIC e a TVI emitem um concerto de homenagem às vítimas dos fogos florestais de Pedrógão Grande e zonas envolventes. A esta transmissão, em simultâneo pelas três televisões, juntam-se também todas as rádios. O valor dos bilhetes vai inteiramente para aqueles que foram prejudicados pelo incêndio que deflagrou a 24 de junho.

 

   Felizmente, os canais generalistas portugueses juntaram-se para um bem maior. É a primeira vez que o fazem e merecem um aplauso por isso. Vão abdicar da suas programações para emitir um evento em simultâneo. Sabem que vão perder audiências, porque vão dividi-las, mas sabem também que é preciso ajudar.

 

   No outro dia assisiti a uma entrevista a Carminho. A fadista dizia que "somos rivais quando está tudo bem, quando está tudo mal somos parceiros", numa alusão à rivalidade no mundo artístico e focando-se neste evento. Esta é a frase que melhor define este gesto das televisões portuguesas, das rádios e dos artistas.

 

   Tenho ainda  de enaltecer a atitude da SIC na semana que passou. Na segunda e na sexta-feira, dedicou a programação das manhãs e das tardes à tragédia que assolou a zona centro do país.

 

   Durante dois dias, abdicou de ganhar dinheiro com as chamadas de valor acrescentado, para angariar dinheiro que será doado a quem precisa. Obviamente que houve uma exploração da tragédia para conseguir audiências.

 

   Neste caso não condeno. Que tenha tido conhecimento, mais nenhum canal teve a grandeza deste gesto, que correspondeu a uma generosa quantia monetária, mas que nem por isso gerou melhores audiências para a estação de Carnaxide. A SIC merece os parabéns por esta atitude.

 

   O concerto tem início pelas 21h00, no MEO Arena, e a receita obtida será entregue à União Das Misericórdias Portuguesas.

   O "Juntos Por Todos" é uma iniciativa civil, co-produzida pela Sons em Trânsito , Nação Valente, MEO Arena, Blueticket, RTP, SIC, TVI e artistas participantes. São eles: Agir, Amor Electro, Ana Moura, Aurea, Camané - Página oficial, Carlos do Carmo, Carminho, D.A.M.A, David Fonseca, Diogo Piçarra , Gisela João, Helder Moutinho Official , João Gil, Jorge Palma, Luisa Sobral, Luís Represas, Matias Damásio, Miguel Araújo, Paulo Gonzo, Pedro Abrunhosa, Raquel Tavares, Rita Redshoes, Rui Veloso Oficial, Salvador Sobral e Sérgio Godinho. Os bilhetes já estão esgotados, mas o "bilhete solidário" pode ainda ser comprado.

 

facebook.jpg

 

Salvador e Luísa sobem audiência da RTP

facebook.jpg

 

db8f20443bf95e31606397fd3e524384.jpg

 

A entrevista dos irmãos ao canal público, que foi para o ar esta terça-feira, foi seguida por cerca de 890 mil espetadores.

 

 

 

   A primeira entrevista de Salvador Sobral, após a vitória no Festival Eurovisão da Canção, fez com a que a RTP quase duplicasse a sua audiência às 21H00. O valor médio da estação no horário ronda os 4% ou 5% de rating.

 

   O especial conduzido por Vítor Gonçalves, e que contou também a presença de Luísa Sobral, registou uma audiência média de 8,5% de rating e 18,1% de quota de mercado.

 

   A entrevista foi o 6º. programa mais visto de terça-feira e o que melhor resultado registou na estação do Estado.

 

   Recorde-se que Salvador Sobral venceu, no passado dia 13 de maio, o Festival Eurovisão da Canção. A música "Amar Pelos Dois" foi escrita pela irmã, Luísa Sobral, e deu a Portugal a primeira vitória no certame internacional.

 

 

Lê também:

postsimples_fichatecnica_V2.png

Ficha Técnica com a "voz" da TVI: "Ganhei muito respeito pela minha voz"

postsimples_fichatecnica_V2.png

Ficha Técnica com Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

  

Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) para 23 de maio de 2017. Os números apresentados são da responsabilidade da GfK/CAEM.

 

facebook.jpg

 

 

 

Salvador amou primeiro para aprendermos a amar depois

   

facebook.jpg

 

05962541_9872a7434f89ff5cc8afcd5c232ce0ca.nbcnews-

 

   

   Muito se vai escrever e muito se vai dizer sobre a vitória de Salvador Sobral no Festival Eurovisão da Canção. Este é um texto de um jovem que segue, há vários anos, o espetáculo europeu. De alguém que percebeu desde o início a beleza de "Amar Pelos Dois", mas que achou que esta canção não era festivaleira o suficiente para nos dar uma boa classificação.

 

   Foi essa a lição que Salvador e Luísa Sobral me deram a mim e a muitos portugueses. Não precisamos de ser iguais ao que vemos, ou seguir padrões. Temos de ser fiéis a nós próprios, temos de dar aquilo que de melhor temos e, sobretudo, temos de gostar daquilo que é nosso.

 

   Depois da vitória na final nacional, aprendi a olhar aquela canção com outros olhos, com outros ouvidos. Aconteceu-me a mim e terá acontecido com tantos outros portugueses. Salvador amou primeiro para aprendermos a amar depois.

 

   Foi também preciso que os "outros" adorassem e dissessem que podíamos vencer para, só depois, nós a adorarmos e acreditarmos também.

 

   Pela primeira vez, quisemos ganhar, pela primeira vez, a RTP quis ganhar. Tivemos orgulho e juntámo-nos em redor desta canção. Isso fez também a diferença.

 

   Curiosamente, vencemos no ano seguinte de termos ganho o Europeu de futebol, na Ucrânica. Em 2005, o mesmo aconteceu com a Grécia. Venceu o Euro 2004 e, no ano seguinte, ganhou o Festival também em Kiev.

 

   A vitória de ontem vai mudar muitas coisas. Haverá outro respeito pelo Festival Eurovisão da Canção. Provavelmente, deixará de haver vergonha dos bons artistas portugueses em participar e haverá uma nova forma de pensar as participações nacionais.

 

   Mais uma vez, estamos nas bocas do Mundo pelas melhores razões. Parabéns Salvador! Parabéns Luísa! Parabéns RTP! Parabéns Portugal!

 

Artigo relacionado:

Festival é o programa mais visto de sábado

 

facebook.jpg

Salvador a caminho da vitória - "13 Reasons Why"

facebook.jpg

 

4.jpg

 

Salvador Sobral sobe hoje ao palco da Eurovisão para representar Portugal.

 

 

   Terça-feira é o primeiro grande dia para "Amar Pelos Dois" (vê o último ensaio). A música que representa Portugal no Festival Eurovisão da Canção de 2017 é a nona a apresentar-se na primeira semi-final. 

 

   Salvador Sobral, o interprete, é um dos grandes favoritos à vitória da final do próximo sábado.

 

   Há 13 razões, numa clara inspiração numa das séries mais badaladas do momento, "13 Reasons Why" (Por 13 razões), para Portugal vencer o certame pela primeira vez.

 

   Umas são mais plausíveis que outras, mas não deixam de ser razões.

 

   Conhece a lista:

 

   1º. Conchita Wurst, vencedora do Festival em 2014, e uma das mais badaladas vencedoras até aos dias de hoje, elogiou a música do representante português através do Twitter;

 

   2º. Nunca uma canção portuguesa tinha estado no segundo lugar das preferências dos apostadores para vencer o Festival;

 

   3º. As melhores posições que Portugal conseguiu no concurso foram conseguidas com músicas cantadas em português. "Amar pelos dois" é cantada integralmente na língua de Camões;

 

   4º. A doença cardíaca de Salvador Sobral é um tema que marca a sua participação. Seja em que país for, todos adoram um bom drama;

 

   5º. Loreen, vencedora em 2012, foi participante do programa "Ídolos", não tinha televisão e nunca tinha visto o festival. Salvador também ficou conhecido no mesmo formato e afirmou, em entrevista à RTP1, que não vê televisão nem segue o espetáculo anual;

 

   6º. A grande final é no dia 13 de maio. Nessa data comemoram-se os 100 anos das supostas aparições de Fátima. A vitória de Portugal na Eurovisão seria um novo milagre. No mesmo dia, o Sport Lisboa e Benfica poderá torna-se novamente campeão nacional de futebol. Portugal manteria, assim, a tradição de ser o país do "fado, de Fátima e do futebol";

 

Lê também:

postsimples_fichatecnica_V1.png

Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

 

   7º. A comunicação social internacional está rendida a "Amar Pelos Dois" como nunca antes tínhamos visto. O jornal inglês "Metro" escreveu que "o mundo está a apaixonar-se pelo melhor candidato português de sempre", referindo-se ao jovem de 27 anos;

 

   8º. Além da comunicação social internacional, também a portuguesa está interessada na participação nacional como há muitos anos não estava ou, provavelmente, como nunca esteve. Todos os dias há novas notícias sobre tudo o que envolve o país na Eurovisão;

 

   9º. Se as pesquisas no motor de busca "Google" contassem, a canção portuguesa arrecadaria, pelo menos, o 5º. lugar;

 

   10º. Mesmo com Luísa Sobral, irmã de Salvador, a assumir os dois primeiro ensaios, Portugal subiu posições nas casas de apostas e encurtou a distância para a Itália, que está em primeiro lugar;

 

   11º. Na "red carpet", Salvador Sobral foi o penúltimo a desfilar. Segundo o ditado: " Os últimos são os primeiros".

 

   12º. O penteado do cantor e músico é igual ao de Éder. O jogador marcou o golo que deu a vitória à seleção portuguesa no Europeu de futebol em 2016.

 

17098217_10207859374433580_5697359014241356166_n.j

 

   13º. Pela primeira vez, desde 1964, os portugueses acreditam que o país pode ganhar o Festival Eurovisão da Canção. Também, em muitos anos, sentem orgulho no representante e na música escolhida. Quando nos unimos, juntamos e mostramos que temos orgulho em ser aquilo que somos, ninguém nos bate.

 

   

   Portugal sobe ao palco hoje, depois das 20h00, para tentar apurar-se para a final do próximo sábado.

   A RTP1 vai transmitir o certame em direto nos dois dias.

 

Artigos relacionados:

"Milagre de 13 de maio";

"A concorrência de Salvador";

"Final Inteligente".

facebook.jpg

 Atualização: (09-05-2017 às 13H13)

Milagre de 13 de maio

   

facebook.jpg

 

ines.jpg

 

   

   Há qualquer coisa de especial no Festival da Eurovisão deste ano. Não sei se vamos vencer mas a verdade é que, desde o ano em que a Vânia Fernandes nos representou, que não sentia tanta esperança num excelente resultado do nosso país.

 

   Eu acredito num novo milagre a 13 de maio, mas desta vez do Salvador. Não será uma aparição, mas não ficará muito longe. A música, pelo menos, é mágica!

 

   A RTP decidiu fazer uma pausa na Eurovisão. Essa pausa teve o efeito esperado dos anos sabáticos dos jovens adultos, que estão prestes a ingressar no ensino superior. A RTP pensou e repensou o formato apresentado ao público, desafiou grandes intérpretes e grandes compositores e o resultado foi melhor do que o esperado, tanto pelo público como pelos próprios responsáveis da RTP. Sim, porque duvido que alguém acreditasse que o Festival da Canção tivesse este impacto no público português, há muito desligado destas andanças.

 

   Vamos a Kiev com uma canção extraordinária. Uma canção que me deixou apreensiva, por achar que não se encaixava neste novo formato da Eurovisão: cheio de espetáculo, luzes, cores, milhões de pessoas e a esperança de se ouvirem novos grandes hits. Todos sabemos que “Amar pelos dois” não é um grande hit, é antes uma grande canção e, por isso mesmo, tem todo o mérito por ter chegado até aqui.

 

   Pessoalmente, não suporto a voz da Luísa Sobral e acho-a extremamente irritante. Talvez isso me tenha afastado da música desde o início. Não torci para que ganhasse, mas fiquei feliz por ver o envolvimento dos portugueses na votação e no apoio à música.

 

   O Festival da Eurovisão renasceu em 2017 no nosso país e isso é bom. Principalmente para quem sonha um dia assistir a este grande espetáculo, no Meo Arena (Eu!). Comecei o texto a dizer-vos que sinto que “há qualquer coisa de especial” na edição deste ano. Eu sinto que tudo se está a conjugar para uma grande vitória do nosso país. E querem saber porquê? Portugal nunca consegue grandes vitórias sem grandes tristezas. Vejamos o exemplo da conquista do Europeu de futebol, no ano passado, com Cristiano Ronaldo a sair lesionado, na final que sempre quis jogar e vencer. Tivemos de roer demasiadas unhas para chegarmos até ali e acreditar, muito, que mesmo sem Ronaldo iríamos conseguir. Temos sempre heróis improváveis nas nossas grandes vitórias, vejam o caso do Éder, um jogador que passou, e passa, despercebido no futebol, mas que foi o grande herói da Seleção Nacional em França.

 

 

   Salvador Sobral é o nosso Éder e o nosso Ronaldo. Vai lesionado, é um outsider, mas leva consigo uma grande “equipa” (entenda-se MÚSICA). Vamos ganhar? Não sei… somos demasiado pequenos. Mas se sairmos derrotados, sabemos que, pelo menos, fomos com tudo para vencer.

 

   Artigos relacionados: A concorrência de Salvador ; Final Inteligente.

   

facebook.jpg

 

 

Final inteligente

facebook.jpg

 

Salvador Sobral com Luísa Sobral - foto: Revista TV MAIS

 

   A RTP1 emitiu, no passado domingo, a final do "Festival da Canção 2017". 

 

   Numa transmissão em direto do Coliseu dos Recreios, em Lisboa, foi um espétaculo extremamente inteligente e muito bem doseado.

 

   As escolhas para a apresentação, o cenário, o local, os convidados e a forma como inseriram as comemorações dos 60 anos da estação pública fizeram desta final, o melhor evento do ano na televisão portuguesa até agora.

 

   O público escolheu a canção dos "Viva La Diva". Contudo, a soma dos votos dos telespetadores com a votação do júri, ditou que a representante de Portugal no "Festival Eurovisão da Canção" fosse a música de Salvador Sobral, "Amar pelos dois".

 

   Ganhou a mais bonita letra do concurso. A única música capaz de atrair as rádios portuguesas e, talvez, a única capaz de se perpetuar. Não aprecio o estilo do interprete, mas não invalida a justiça da vitória.

 

   Não é, de todo, a canção mais "festivaleira" do concurso, mas está a destacar-se. Depois de conhecido o vencedor, as casas de apostas colocam Portugal na 8ª. posição nas preferências para a vitória  do certame internacional.

 

   Não posso deixar de destacar a excelente prestação de Catarina Furtado, de Sílvia Alberto e do extraordinário momento proporcionado pelo discurso de Júlio Isidro.

 

   O "Festival da Canção" foi acompanhado por uma média de 684 mil espetadores. A final foi o 10º. programa mais visto do dia, liderando apenas na última parte da emissão.

 

   Assim vale a pena. Parabéns RTP!

 

facebook.jpg

 

Fernando Daniel e Deolinda Kinzimba no Festival da Canção

facebook.jpg

 

 

 

A RTP anunciou, esta tarde, os nomes dos concorrentes da primeira semi-final do "Festival da Canção 2017".

 

 

   Fernando Daniel, Deolinda Kinzimba e Rui Drumond são os três vencedores do concurso "The Voice Portugal" e concorrem por um lugar no Festival Eurovisão da Canção deste ano, que marca o regresso de Portugal ao certame.

 

   O mais recente vencedor do talent-show da RTP1 vai apresentar uma música de Nuno Feist. Já Deolinda, concorre ao festival com um tema de Rita Redshoes. Rui Drumond, que representou o pais em 2005 com Luciana Abreu, vai apresentar uma canção de Héber Marques.

 

   A esta lista juntam-se Márcia, com uma música de sua autoria, e os Golden Slumbers, com um tema de Samuel Úria.

 

   Luisa Sobral também compôs uma canção para este festival e entregou-a a Salvador Sobral. O lote fica completo com o tema de Lisa Garden, composto por Pedro Saraiva, e uma música de Nuno Gonçalves que vai ser interpretada por um trio cujo o nome ainda não foi oficializado. Sobre o trio, sabe-se apenas que Kika, vencedora do "Factor X" da SIC, será uma das intérpretes.

 

   A primeira semi-final do Festival da Canção está agendada para o dia 19 de fevereiro, da qual vão sair os quatro primeiros finalistas.

 

facebook.jpg