Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Um blog de opinião sobre a televisão portuguesa

Que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias

facebook.jpg

 

28358671_27062017PEDROROCHA0016-741x486.jpg

 

   Este é um breve comentário àquilo que se passou, esta terça-feira, no Meo Arena. Debruço-me, obviamente, sobre as televisões que se juntaram, pela primeira vez, para uma emissão conjunta e solidária. O objetivo era só um: ajudar as vítimas dos incêndios de Pedrogão Grande.

 

   Queria dormir cedo, mas não consegui. O "Juntos Por Todos" foi um momento belíssimo de compaixão, entreajuda e de esperança. Dormi menos, mas dormi melhor.

 

   Foi bonito ver as caras de todas as televisões juntas por uma missão. Sem rivalidade. Tal como foi bonito ver que os três canais abdicaram de espaços de publicidade em pleno horário nobre. 

 

   Apesar da transmissão conjunta, cada canal teve os seus próprios comentadores e entrevistados. É aqui que destaco a TVI. Que me tenha apercebido, foi a única estação a estar em direto de Pedrogão Grande. Isso deu outra perspetiva à emissão e, também por isso, conseguiu liderar as audiências. Algo que pouco interessa porque, nesta noite, todos ganhámos.

 

   Destaco os dois momentos do espetáculo que mais me marcaram: a incrível prestação da fadista Carminho e o coro que se juntou a Salvador Sobral quando se cantou "Amar Pelos Dois".

 

   Que eventos como este se repitam e não só quando existam desgraças. Caso contrário, que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias.

 

Lê também:

Mais de 2 milhões estiveram "Juntos Por Todos"

 

facebook.jpg

 

Mais de 2 milhões estiveram "Juntos Por Todos"

 

 

image.jpg

 

 

A emissão conjuta entre RTP1, SIC e TVI rendeu ao "Juntos Por Todos", esta terça-feira, mais de 2 milhões e 700 mil espetadores.

 

facebook.jpg

 

 

 

   A TVI foi o canal preferido pelos portugueses para seguir a emissão do evento de ajuda às vítimas dos incêndios em Pedrogão Grande. Embora os três canais generalistas partilhassem a transmissão, cada um escolheu as suas caras para comentar o concerto e o ambiente no MEO Arena.

 

   A estação de Queluz de Baixo registou 13,3% de audiência média e 31,3% de quota de mercado. Estes valores correspondem a 1 milhão e 287 mil espectadores. 

 

   A SIC foi a segunda escolha dos portugueses. "Juntos Por Todos" registou cerca 808 mil espetadores em média. O valor foi de 8,3% de rating e 19,7% de quota média de mercado.

 

   A RTP1 foi a terceira escolha no horário nobre de ontem. O evento registou 7,2 % de rating e 16,8% de share. Este valor  significa que mais de 692 mil espetadores estiveram ligados ao canal público.

 

   A estes números das televisões somam-se ainda aqueles que seguiram a emissão pelas rádios nacionais ou pela Internet.

 

Lê também um breve comentário sobre o espetáculo:

Que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias

28358671_27062017PEDROROCHA0016-741x486.jpg

 

Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) para 27 de junho de 2017. Os números apresentados são da responsabilidade da GfK/CAEM.

 

 

 

 

facebook.jpg

 

"Juntos Por Todos"

   

facebook.jpg

 

juntosportodos_Capa.jpg

 

   Esta terça-feira (27/06), a RTP1, a SIC e a TVI emitem um concerto de homenagem às vítimas dos fogos florestais de Pedrógão Grande e zonas envolventes. A esta transmissão, em simultâneo pelas três televisões, juntam-se também todas as rádios. O valor dos bilhetes vai inteiramente para aqueles que foram prejudicados pelo incêndio que deflagrou a 24 de junho.

 

   Felizmente, os canais generalistas portugueses juntaram-se para um bem maior. É a primeira vez que o fazem e merecem um aplauso por isso. Vão abdicar da suas programações para emitir um evento em simultâneo. Sabem que vão perder audiências, porque vão dividi-las, mas sabem também que é preciso ajudar.

 

   No outro dia assisiti a uma entrevista a Carminho. A fadista dizia que "somos rivais quando está tudo bem, quando está tudo mal somos parceiros", numa alusão à rivalidade no mundo artístico e focando-se neste evento. Esta é a frase que melhor define este gesto das televisões portuguesas, das rádios e dos artistas.

 

   Tenho ainda  de enaltecer a atitude da SIC na semana que passou. Na segunda e na sexta-feira, dedicou a programação das manhãs e das tardes à tragédia que assolou a zona centro do país.

 

   Durante dois dias, abdicou de ganhar dinheiro com as chamadas de valor acrescentado, para angariar dinheiro que será doado a quem precisa. Obviamente que houve uma exploração da tragédia para conseguir audiências.

 

   Neste caso não condeno. Que tenha tido conhecimento, mais nenhum canal teve a grandeza deste gesto, que correspondeu a uma generosa quantia monetária, mas que nem por isso gerou melhores audiências para a estação de Carnaxide. A SIC merece os parabéns por esta atitude.

 

   O concerto tem início pelas 21h00, no MEO Arena, e a receita obtida será entregue à União Das Misericórdias Portuguesas.

   O "Juntos Por Todos" é uma iniciativa civil, co-produzida pela Sons em Trânsito , Nação Valente, MEO Arena, Blueticket, RTP, SIC, TVI e artistas participantes. São eles: Agir, Amor Electro, Ana Moura, Aurea, Camané - Página oficial, Carlos do Carmo, Carminho, D.A.M.A, David Fonseca, Diogo Piçarra , Gisela João, Helder Moutinho Official , João Gil, Jorge Palma, Luisa Sobral, Luís Represas, Matias Damásio, Miguel Araújo, Paulo Gonzo, Pedro Abrunhosa, Raquel Tavares, Rita Redshoes, Rui Veloso Oficial, Salvador Sobral e Sérgio Godinho. Os bilhetes já estão esgotados, mas o "bilhete solidário" pode ainda ser comprado.

 

facebook.jpg

 

Milagre de 13 de maio

   

facebook.jpg

 

ines.jpg

 

   

   Há qualquer coisa de especial no Festival da Eurovisão deste ano. Não sei se vamos vencer mas a verdade é que, desde o ano em que a Vânia Fernandes nos representou, que não sentia tanta esperança num excelente resultado do nosso país.

 

   Eu acredito num novo milagre a 13 de maio, mas desta vez do Salvador. Não será uma aparição, mas não ficará muito longe. A música, pelo menos, é mágica!

 

   A RTP decidiu fazer uma pausa na Eurovisão. Essa pausa teve o efeito esperado dos anos sabáticos dos jovens adultos, que estão prestes a ingressar no ensino superior. A RTP pensou e repensou o formato apresentado ao público, desafiou grandes intérpretes e grandes compositores e o resultado foi melhor do que o esperado, tanto pelo público como pelos próprios responsáveis da RTP. Sim, porque duvido que alguém acreditasse que o Festival da Canção tivesse este impacto no público português, há muito desligado destas andanças.

 

   Vamos a Kiev com uma canção extraordinária. Uma canção que me deixou apreensiva, por achar que não se encaixava neste novo formato da Eurovisão: cheio de espetáculo, luzes, cores, milhões de pessoas e a esperança de se ouvirem novos grandes hits. Todos sabemos que “Amar pelos dois” não é um grande hit, é antes uma grande canção e, por isso mesmo, tem todo o mérito por ter chegado até aqui.

 

   Pessoalmente, não suporto a voz da Luísa Sobral e acho-a extremamente irritante. Talvez isso me tenha afastado da música desde o início. Não torci para que ganhasse, mas fiquei feliz por ver o envolvimento dos portugueses na votação e no apoio à música.

 

   O Festival da Eurovisão renasceu em 2017 no nosso país e isso é bom. Principalmente para quem sonha um dia assistir a este grande espetáculo, no Meo Arena (Eu!). Comecei o texto a dizer-vos que sinto que “há qualquer coisa de especial” na edição deste ano. Eu sinto que tudo se está a conjugar para uma grande vitória do nosso país. E querem saber porquê? Portugal nunca consegue grandes vitórias sem grandes tristezas. Vejamos o exemplo da conquista do Europeu de futebol, no ano passado, com Cristiano Ronaldo a sair lesionado, na final que sempre quis jogar e vencer. Tivemos de roer demasiadas unhas para chegarmos até ali e acreditar, muito, que mesmo sem Ronaldo iríamos conseguir. Temos sempre heróis improváveis nas nossas grandes vitórias, vejam o caso do Éder, um jogador que passou, e passa, despercebido no futebol, mas que foi o grande herói da Seleção Nacional em França.

 

 

   Salvador Sobral é o nosso Éder e o nosso Ronaldo. Vai lesionado, é um outsider, mas leva consigo uma grande “equipa” (entenda-se MÚSICA). Vamos ganhar? Não sei… somos demasiado pequenos. Mas se sairmos derrotados, sabemos que, pelo menos, fomos com tudo para vencer.

 

   Artigos relacionados: A concorrência de Salvador ; Final Inteligente.

   

facebook.jpg