Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Um blog de opinião sobre a televisão portuguesa

"Juntos Por Todos"

   

facebook.jpg

 

juntosportodos_Capa.jpg

 

   Esta terça-feira (27/06), a RTP1, a SIC e a TVI emitem um concerto de homenagem às vítimas dos fogos florestais de Pedrógão Grande e zonas envolventes. A esta transmissão, em simultâneo pelas três televisões, juntam-se também todas as rádios. O valor dos bilhetes vai inteiramente para aqueles que foram prejudicados pelo incêndio que deflagrou a 24 de junho.

 

   Felizmente, os canais generalistas portugueses juntaram-se para um bem maior. É a primeira vez que o fazem e merecem um aplauso por isso. Vão abdicar da suas programações para emitir um evento em simultâneo. Sabem que vão perder audiências, porque vão dividi-las, mas sabem também que é preciso ajudar.

 

   No outro dia assisiti a uma entrevista a Carminho. A fadista dizia que "somos rivais quando está tudo bem, quando está tudo mal somos parceiros", numa alusão à rivalidade no mundo artístico e focando-se neste evento. Esta é a frase que melhor define este gesto das televisões portuguesas, das rádios e dos artistas.

 

   Tenho ainda  de enaltecer a atitude da SIC na semana que passou. Na segunda e na sexta-feira, dedicou a programação das manhãs e das tardes à tragédia que assolou a zona centro do país.

 

   Durante dois dias, abdicou de ganhar dinheiro com as chamadas de valor acrescentado, para angariar dinheiro que será doado a quem precisa. Obviamente que houve uma exploração da tragédia para conseguir audiências.

 

   Neste caso não condeno. Que tenha tido conhecimento, mais nenhum canal teve a grandeza deste gesto, que correspondeu a uma generosa quantia monetária, mas que nem por isso gerou melhores audiências para a estação de Carnaxide. A SIC merece os parabéns por esta atitude.

 

   O concerto tem início pelas 21h00, no MEO Arena, e a receita obtida será entregue à União Das Misericórdias Portuguesas.

   O "Juntos Por Todos" é uma iniciativa civil, co-produzida pela Sons em Trânsito , Nação Valente, MEO Arena, Blueticket, RTP, SIC, TVI e artistas participantes. São eles: Agir, Amor Electro, Ana Moura, Aurea, Camané - Página oficial, Carlos do Carmo, Carminho, D.A.M.A, David Fonseca, Diogo Piçarra , Gisela João, Helder Moutinho Official , João Gil, Jorge Palma, Luisa Sobral, Luís Represas, Matias Damásio, Miguel Araújo, Paulo Gonzo, Pedro Abrunhosa, Raquel Tavares, Rita Redshoes, Rui Veloso Oficial, Salvador Sobral e Sérgio Godinho. Os bilhetes já estão esgotados, mas o "bilhete solidário" pode ainda ser comprado.

 

facebook.jpg

 

Boa Voz

A Voz de Portugal estreou no passado sábado na RTP1. Os sábados são, desde há muito tempo, as noites escolhidas pelo canal para mostrar a sua maior aposta no entretenimento de cada ano. 

 

Sendo uma noite de fim-de-semana, obviamente, é um dia em que as televisões têm uma queda no número de espectadores, especialmente à noite. 

 

Os responsáveis da estação escolheram então o data de 29 de Outubro e o programa teve de começar depois das 22H00 devido ao futebol na TVI

 

O resultado foi bem melhor do que aquilo que se previa. Foi o programa mais visto do dia com 7.8% de rating e 23.7% de share, ultrapassando, por larga margem, por exemplo, Rosa Fogo, a novela da SIC.

 

A Voz de Portugal é apresentado por Catarina Furtado que está igual a si mesma, sem nenhuma novidade a apontar. O formato é um dos melhores criados, nos últimos anos, relativamente aos concursos de procura de cantores. 

 

Os mentores, em substituição dos jurados, foram muito bem escolhidos e, finalmente, existe um grupo de pessoas que percebe de música. São eles: Paulo Gonzo, Rui Reininho, Anjos e Mia Rose.

 

Ainda assim, existem alguns defeitos a apontar. O início começou mal, com Catarina Furtado a explicar o funcionamento do concurso com um fundo virtual de bradar aos céus. 

 

Os problemas de som, especialmente quando as famílias dos candidatos assistem às provas, são inadmissíveis. Há também algo que faz alguma confusão. 

 

Num sem número de candidatos houve apenas uma que cantou em português. Gerou-se uma aversão a música cantada na nossa língua neste tipo de programas que é difícil de perceber. 

 

É pena! Vamos ter uma voz de Portugal que, provavelmente, não canta em português.