Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Um blog de opinião sobre a televisão portuguesa

A mudança está a chegar

 

facebook.jpg

 

devices.png

 

 

   Passou quase um mês desde a última vez que escrevi aqui no blog. Confesso que não tenho visto muita televisão. Talvez seja um problema meu, ou então não.

 

   Os canais portugueses têm apresentado muito poucas novidades e, as que o dizem ser, não o são verdadeiramente. Não vejo novelas neste momento e não sigo qualquer programa.

 

   Talvez passe os olhos, com mais frequência, pelo "Cá Por Casa" de Herman José, ou então pelos programas de domingo à noite. Nesse campo, tenho de mencionar que o "The Voice Portugal" começa a perder qualidades. Quanto a mim, está tornar-se enfadonho ou então precisa mesmo de uma pausa mais prolongada.

 

   O "Vale Tudo" está com muito pouca piada. Não percebo como é que a SIC, que tem os melhores atores do Teatro de Revista da atualidade no seu leque de estrelas, não os utiliza num programa desta índole. Falo, por exemplo, de Marina Mota, Maria João Abreu, José Raposo ou João Baião. Em vez disso colocam como concorrentes, com todo o respeito, pessoas como a Dânia Neto ou a Cleia Almeida que não conseguem ter piada porque não é esse o seu ramo.

 

 

   Quantos aos especiais do "Apanha Se Puderes", da TVI, não é o entrenimento que ser quer ao domingo e correram também o risco de desgastar o formato.

 

   Talvez ande distraído mas, cada vez mais, os canais generalistas estão a perder força por não se saberem situar e mudar. Acredito que, tal como eu, muitos jovens já passem muito pouco do seu tempo a olhar para a RTP, a SIC ou a TVI.

 

   Conto-vos que me entregrei de corpo e alma, talvez tardiamente, a "Game of Thrones". Nos últimos meses, a minha televisão tem-se ligado para recuperar o tempo perdido. Vou na 5ª. temporada e não consigo parar. Sou mais um dos que prefere ver o que quer, à hora que quer e da forma como quer.

 

   Os tempos estão a mudar rapidamente e os canais generalistas têm de estar mais atentos. "O inverno está a chegar"!

 

facebook.jpg

 

"Biggest Deal" ou "Biggest Loser"? - Opinião e audiências

facebook.jpg

Teresa-Guilherme-Biggest-Deal.jpg

 

 

   "Biggest Deal" estreou, este domingo à noite, na TVI. Em dia de eleições autárquicas e de derby entre FC Porto e Sporting, o reality-show teve o pior resultado de sempre em formatos do género para o canal.

 

   Mas vamos primeiro a uma opinião/primeira impressão. O novo programa da TVI mereceu os maus resultados. A falta de ritmo, a falta de emoção, a falta de reações por parte de uma plateia que não existiu e facto o de tudo estar (mal) ensaiado em demasia mataram o formato logo à nascença.

 

   A ideia que fica é que a TVI e a Endemol desaprenderam de fazer reality-shows. O lote de concorrentes é bom, embora falte uma figura polémica ou extravagante. Continuo a achar que José Castelo Branco faz falta. Além disso, a estreia foi tão enfadonha que até a concorrência, sem qualquer tipo de novidade, foi mais apetecível.

 

   O maior erro foi não colocar Teresa Guilherme num estúdio, com público, e lançar os concorrentes a partir daí. Outro erro foi dar tempo de antena a um casal chinês que "não percebia" a língua portuguesa e que afinal percebia tudo. O público não vai nestas cantigas. São parvoíces que já há muito tempo deixaram de fazer sentido. A falta de ritmo e de verdadeira novidade fizeram o resto.

 

   A partir de agora, o caminho de "Biggest Deal" vai ser muito mais difícil. O "The Voice Portugal" volta para a semana, tal como a nova temporada do "Vale Tudo".

 

   Quanto aos números, a nova aposta da TVI não foi além dos cerca de 700 mil espetadores. Este valor corresponde a 7,2% de audiência média e 17,1% de share. O reality-show chegou mesmo a perder para a concorrência da SIC e da RTP1.

 

   Recorde-se que, em 2016, "Secret Story 6" conquistou 1 milhão e 208 mil espectadores, em média. Em 2013, a estreia de "Secret Story 4", também em dia de eleições, registou uma média de 1 milhão e 739 mil espectadores.

 

   Neste domingo, 1 de outubro, o "Autárquicas 2017" da TVI foi o programa mais visto do dia, seguido do "Jornal da Noite - Eleições Autárquicas", da SIC.

 

Os dados apresentados são provisórios, da responsabilidade da CAEM/GfK e podem sofrer alterações.

facebook.jpg

 

O país das novelas também sabe fazer séries

 

 

facebook.jpg

 

34596879443_533e1ae38e_o-860x507-1498560193.jpg

 

   Terminou esta semana a melhor série portuguesa dos últimos anos. "Madre Paula", transmitida pela RTP1, contou a história de uma freira do Convento de Odivelas que se apaixonou pelo rei de Portugal e o rei por ela.

 

   A série realizada pela "Vende-se Filmes", e escrita por Patrícia Muller, foi e é uma pedrada no charco. Esta é prova de que no país da novelas também é possível fazer-se outros tipos de ficção, de época neste caso, com um elevado nível de excelência.

 

   Os ingredientes estavam lá todos: excelentes interpretações de Joana Ribeiro (Madre Paula), Paulo Pires (D. João V) e de Sandra Faleiro (Rainha Maria Ana); um guarda roupa incrível e uma história carregada de temas tabu como a homossexualidade, a homossexualidade na igreja, as relações sexuais entre freiras e nobres, teorias da conspiração, violência e até humor. Provavelmente, não precisava de ser tão atrevida nas cenas de caráter sexual, podendo assim passar num horário menos tardio.

 

   "Madre Paula" não subiu as audiências da RTP1 às quartas-feiras à noite, mas também não as fez descer. Amigos meus, na casa dos 20 anos, disseram-me que seguiram esta série. Para a estação do Estado é uma vitória conseguir captar público mais jovem.

 

   Que o dinheiro dos contribuintes seja utilizado para trabalhos como este. Assim, podemos estar todos descansados. 

 

facebook.jpg

 

Ficha Técnica com Marisa Martinho.: "Lidar com os sonhos das pessoas é algo que me seduz"

   

facebook.jpg

 

coverFB_fichatecnica_V2.png

 

   Marisa Martinho é uma das reponsáveis pelos mentores do "The Voice Portugal", da RTP1, há quatro anos. Quase o mesmo tempo em que trabalha como Produtora de Conteúdos para a Shine Ibéria.

 

   Em entrevista, a natural de Cascais, confessa que após terminar o curso bateu à porta de todas as produtoras e televisões portuguesas da região de Lisboa e foi essa persistência que a ajudou a trabalhar na área.

 

   A jornalista de formação não esquece o trabalho como Repórter no canal Globo Portugal e admite que voltaria a fazê-lo se a convidassem. Ainda assim, isso não invalida que se sinta feliz na sua atual profissão.

 

   Marisa confessa ainda que adorava trabalhar na área do jornalismo desportivo.

 

Foto de perfil retirada da rede social "Linkedin"

 

 

 

   A Caixa que já foi Mágica.: Começou a carreira na Endemol Portugal. Trabalhar na televisão foi sempre uma vontade sua ou aconteceu por acaso?

 

   Marisa Martinho.: Desde pequena que o meu sonho era ser Jornalista. A área não era importante. Queria conversar com pessoas, saber tudo sobre a atualidade em Portugal e no Mundo. 

 

      Ao longo do curso, a vontade de conhecer o mundo televisivo aumentou, também por culpa de alguns professores da minha faculdade e, com o aproximar do final do último ano, tinha quase decidido que teria de fazer alguma coisa para trabalhar em televisão. 

 

    Assim que o terminei, enviei currículos para todas as produtoras de programas de televisão, para todos os canais nacionais, esperei e nada aconteceu.

 

    Fui às estações, bati à porta das produtoras e fui até ao estúdio da Valentim de Carvalho, onde a Endemol estava a gravar a “Roda da Sorte”, com o Herman José. Por acaso, entreguei o currículo “em mãos” a uma pessoa que achou graça à minha atitude. No dia seguinte ligaram-me e comecei o estágio.

 

 

   ACQJFM.: Passou depois pelo jornalismo, mas rapidamente voltou aos "conteúdos". O jornalismo, por si só, não é tão aliciante ou a produção de conteúdos é aquilo que realmente a completa?

 

   M.M.: Adorei fazer reportagem para o “Cá Estamos”, na TV Globo. Foi sem dúvida uma experiência única na minha vida. O ritmo é outro, o tempo é outro e o próprio método é diferente. Gostei muito de ser repórter do programa e cresci muito com ele. 

Voltaria a fazer amanhã se me convidassem, mas a verdade é que na produção de conteúdos a dinâmica é diferente. O ritmo alucinante dos programas de entretenimento de hoje deixa-me com o coração nas mãos, no bom sentido. Sou por natureza uma pessoa que gosta de desafios e sem dúvida que no entretenimento o desafio é maior e mais aliciante.

 

 

   ACQJFM.: Qual é o trabalho de uma produtora de conteúdos?

 

   M.M.: A nossa vida não é fácil! Posso dizer que depende muito de como as equipas de conteúdos são organizadas e do tipo de programas que fazemos mas, em geral e falando quase cronologicamente por projeto, começamos por procurar ideias para criar e reinventar no nosso programa; estruturamos tudo o que precisamos gravar para que o programa tenha as várias vertentes que pretendemos; acompanhamos as gravações e coordenamos as equipas de gravação tendo em conta as nossas necessidades.

 

   Também são da nossa responsabilidade a gravação de entrevistas e de planos. Depois de gravar somos também nós que, através de programas de edição (avid, finalcut, …), cortamos, estruturamos as ações gravadas e acompanhamos os editores. São estas as principais funções de uma produtora de conteúdos. 

 

   Não é possível resumir mais uma função tão importante.

 

 

   ACQJFM.: Quais são as maiores dificuldades num dia de trabalho?

 

   M.M.: Para qualquer “conteúdo” o dia é pequeno. Precisamos sempre de mais tempo. Os prazos são muito apertados.

   O tempo é mesmo o nosso maior inimigo. De resto, quando se gosta do que se faz nada é difícil!

 

 

615521006_780x439.jpg

 

 

   ACQJFM.: A Shine Iberia Portugal faz trabalhos para vários canais. Existe um cuidado diferente tendo em conta a estação ou a produtora faz o seu trabalho independentemente de quem a contratou?

 

   M.M.: Não tenho dúvidas de que a Shine Iberia Portugal trabalha sempre da mesma forma, independentemente da estação que a contrata para fazer um programa.

Aqui fazemos o nosso trabalho, todos os dias, com o maior empenho. Já fiz programas para a SIC, para a TVI e para a RTP e nunca notei diferenças. Para nós o importante é fazer bem.

 

 

   ACQJFM.: Sente diferenças no investimento das televisões de 2008 para 2017? Há mais ou menos investimento? De que forma é que esse investimento condiciona o seu trabalho?

 

   M.M.: Esta pergunta dá-me vontade de chorar! É de conhecimento geral que com a crise o investimento em programas de televisão os “orçamentos” tendem a ser menores. Ainda assim, o trabalho é o mesmo, o empenho é o mesmo, a vontade de fazer bem é a mesma desde o primeiro dia. Não posso dizer que o facto de se investir menos condiciona o meu trabalho porque, acima de tudo, tenho um grande orgulho no que faço.

    Apesar da redução no investimento a dedicação, empenho e profissionalismo são os mesmos.

 

 

   ACQJFM.: Algum público queixa-se de que as televisões em Portugal não inovam e poucas vezes se destacam umas das outras. Acredita que há uma crise de ideias ou a crise económica é a grande causa?

 

   M.M.: Nem uma coisa, nem outra. Na minha “carreira” em programas de televisão fiz muitas coisas parecidas, mas a verdade é que sempre que fiz algum programa menos “comercial” ou menos imediato para o público, as audiências não foram as melhores do mundo.

 

   Em Portugal existem vários programas de talentos porque a verdade é uma: as pessoas gostam, as pessoas vêem. O "boom" mais recente dos programas de cozinha é outro fenómeno. As audiências não enganam e, por isso, acho que as produtoras e os canais investem naquilo que as pessoas querem ver.

 

   Acredito que a pressão das audiências possa, de alguma forma, condicionar o que cada estação compra e emite. Não acredito que as produtoras não tenham em carteira mil programas para fazer, mas que o medo de arriscar acabe por vencer em algumas situações.

 

 

   ACQJFM.: É difícil agradar ao público português? 

 

   M.M.: Acho que não! Nós gostamos de sorrir, de chorar logo a seguir e, se possível, sorrir novamente. O público português gosta de, no mesmo programa, sentir várias sensações. Se conseguirmos isso, já os conquistámos.

 

 

The-Voice-Portugal-2015.jpg

 

 

   ACQJFM.: Qual foi a situação mais complicada pela qual passou? 

 

   M.M.: Não posso dizer que passei por situações muito complicadas. Tento sempre gerir as situações que enfrento.  

   Há uns anos estava a gravar um programa de entretenimento e, como repórter do programa, quando comecei a fazer uma entrevista a uma concorrente ela recusou-se a falar comigo. A candidata não aceitou a decisão dos jurados e quando questionada sobre isso quase me batia. Coitada! Percebo bem a desilusão que sentiu e eu ainda queria saber o que raio lhe passava pela cabeça.

 

   ACQJFM.: E a mais caricata?

   

  M.M.: A situação mais caricata aconteceu-me no "The Voice Portugal". Muitas vezes entro e saio com os mentores do décor e a todos os minutos querem tirar fotografias com eles. O problema é que nem sempre é possível porque temos muitas coisas para gravar. Numa dessas pausas oiço gritarem pelo meu nome, mas não olhei porque já sabia que era para tirar fotografias e não tínhamos tempo.

 

   Dias depois uma amiga da minha mãe encontra-me e conta-me que foi assistir às gravações do programa e que chamou por mim e eu nem lhe falei. Como podia adivinhar que era ela?

 

 

   ACQJFM.: Se pudesse escolher um programa ou formato para trabalhar, nacional ou internacional, qual escolheria?

 

   M.M.: É muito difícil falar de projetos que gosto ou que gostava de fazer porque parece sempre muito injusto para os programas que já fiz. Sem dúvida que o "The Voice" está no topo das minhas preferências por tudo e por nada. É um formato de música que adoro e lidar com sonhos de pessoas é algo que me seduz. Por isso acho que estou realizada nesse sentido. 

 

 

   ACQJFM.: Quais são os seus objetivos para o futuro?

 

   M.M.: Para já estou feliz a trabalhar onde estou. Sem dúvida que gostava de poder abraçar outros desafios, mas ainda não tenho bem definido o quê e onde. Uma coisa é certa, adorava fazer alguma coisa ligada ao jornalismo desportivo, gosto muito de futebol e gostava muito de poder fazer algo nessa área. Sou uma adepta fanática pelo Sport Lisboa e Benfica e por isso aceitam-se convites!

 

    Leia também:

postsimples_fichatecnica_V1.png

"Ficha Técnica" com Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

 

postsimples_fichatecnica_V1.png

Ficha Técnica com Isabel Roma.: "É mais gratificante fazer Serviço Público do que garantir audiências"

 

facebook.jpg

 

 

As novidades da RTP

facebook.jpg

 

18864727_W0533.png

 

   A RTP1 é o canal generalista que mais novidades tem para apresentar ao público. A estação do Estado já colocou as cartas na mesa e é a primeira a estrear um programa na nova temporada. A partir de setembro podemos esperar muita ficção, música e magia.

 

   Conheça então os novos programas da RTP1 e a datas de estreia das novas temporadas de outros formatos

 

 

 o impossivel.jpg

 

 Em “O Impossível”, com Luís de Matos, vai poder conhecer as mais recentes criações do ilusionista português. Todos os programas vão contar com a participação de alguns dos melhores mágicos do mundo e também com figuras públicas.

 

caminhos.jpg

 

Os protagonistas desta série documental são a portuguesa Isadora Alves e o galego Rubén Riós. A dupla vai percorrer o caminho português de Lisboa a Santiago Compostela, utilizando a bicicleta como meio de transporte.

 

 

the voice portugal.jpg

 

  "The Voice Portugal" regressa para a 5ª. temporada. Como em equipa que ganha não se mexe, além do prémio final, nada se altera no talent-show. Ainda assim, as surpresas, as histórias e as vozes prometem colar os portugueses ao ecrã.

 

 pais irmao.jpg

 

   O enredo da série centra-se num escândalo que estará em vias de ser revelado e o Governo nacional encontra-se receoso com essa possibilidade. Assim, com o objetivo de solucionar o problema, a Ministra da Cultura tem a ideia de produzir a melhor telenovela de sempre com o intuito de distrair o país.

   Maria João Bastos, Nuno Lopes, José Raposo e Margarida Marinho fazem parte do elenco da série cómica.

 

5 para meia noite.jpg

 

   O "5 Para A Meia-Noite" está de regresso para a 15ª. temporada, com muitas novidades, mas nos mesmos moldes da edição anterior. Filomena Cautela continua a ser o rosto do

late-night show de quinta-feira.

 

A CRIAÇÃO.jpg 

 

"A Criação" é uma sitcom sobre agências de publicidade, protagonizada por atores vestidos de animais de peluche.

 

 

1986.jpg

 

   "1986" é uma comédia romântica, de época, escrita por Nuno Markl. A ideia central é a de revisitar o ano de 1986 em Portugal à volta de 5 personagens principais. Nesta altura, Diogo Freitas do Amaral e Mário Soares disputavam as eleições presidenciais.

 

 

facebook.jpg

 

 

Ficha Técnica com Isabel Roma.: "É mais gratificante fazer Serviço Público do que garantir audiências"

coverFB_fichatecnica_V2.png

 

 

   Isabel Roma é produtora de televisão na RTP. Está na estação pública há mais de 17 anos, quase metade da sua vida. 

   

   Natural do Porto, tem a seu cargo o programa "Janela Indiscreta". Mário Augusto é a cara principal do formato que conta todas as novidades do cinema mundial.

 

   Em entrevista ao "Ficha Técnica", relata as exigências do trabalho e revela que as audiências não a preocupam. A produtora conta que a qualidade dos formatos que tem a cargo são a sua maior preocupação e que aprendeu na RTP a interessar-se apenas pelo Presente.

 

Isabel Roma de Oliveira

 

 

   

   A Caixa que já foi Mágica.: Está na RTP há 17 anos. Trabalhou sempre como produtora na televisão pública ou ocupou outros cargos?

 

   Isabel Roma.: Antes de ser produtora fui relações públicas e assistente de produção. Antes de trabalhar em audiovisuais trabalhei em turismo.

 

 

    ACQJFM.: Qual é o trabalho de um produtor de televisão?

 

    I.R.: Um produtor é aquele que tem que fazer tudo para que uma ideia se concretize, se possível, sem se fazer notar.

 

 

   ACQJFM.: Quais são as maiores exigências no seu trabalho?

 

   I.R.: Saber tudo sobre cada projeto que se tem em mãos, mas saber igualmente delegar e confiar tarefas. Ser o primeiro a entrar e o último a sair.

 

Depois, dependendo do tipo de produção em causa: assegurar os melhores, mais credíveis e criativos conteúdos; assegurar as melhores condições de trabalho aos colegas (e isso pode incluir alojamento, alimentação, mas também um guarda-sol ou um comprimido para a dor de cabeça) ou assegurar que cada projeto fica dentro do orçamentado.

 

 

   ACQJFM.: De todos os programas que produziu, há algum que lhe deixe mais saudades? Qual foi o formato mas desafiante ao longo destes anos e porquê?

 

   I.R.: O ano do "Euro 2004" é inesquecível para todos os que, de alguma forma, estiveram envolvidos na transmissão dos jogos, programas de apoio, etc..

 

O projeto mais recente é sempre o mais desafiante. Ou, dito de outra forma, todos os projetos têm desafios diferentes. No ano passado, por exemplo, houve um projeto para a RTP2 chamado “Jogos Reais” que foi altamente desafiante!

 

 

32597_39173_78645.jpg

 

 

   ACQJFM.: É, atualmente, produtora do programa "Janela Indiscreta". Em que é que este formato é desafiante para si?

 

   I.R.: Este programa acaba por ser bastante simples, porque trabalhamos, maioritariamente, com conteúdos que nos são fornecidos. O meu colega Francisco Silva estabelece todas as pontes necessárias e assegura as gravações com o Mário Augusto.

 

 

   ACQJFM.: Uma vez que trabalha na televisão do Estado, quais são as maiores dificuldades em fazer serviço público?

 

   I.R.: Não chamaria dificuldades, mas antes responsabilidades. Se conhecermos as bases do Contrato de Concessão, se conhecermos as regras, na realidade não é nada difícil. E, em última instância, temos sempre uma estrutura que assegura que nunca perdemos o rumo.

 

Torna-se mais difícil, na verdade, explicar o Serviço Público para fora da empresa, porque quase ninguém fora da RTP lê um documento como o Contrato de Concessão! E isso dá origem a imensos “treinadores de bancada” que não sabem do que falam.

 

 

   ACQJFM.: As audiências preocupam-na?

 

   I.R.: Preocupa-me mais saber se os programas têm qualidade. E interessa-me saber se todas as formas de ver conteúdos são medidas, e não apenas quem vê no momento de emissão em televisão (refiro-me, por exemplo, ao on-demand).

 

 

   ACQJFM.: O que é que, na sua opinião, é mais difícil: garantir audiências ou fazer serviço público?

 

   I.R.: É mais difícil garantir audiências. E é muito mais gratificante fazer Serviço Público do que garantir audiências.

 

 

   ACQJFM.: Em 17 anos a RTP mudou muito a vários níveis. Hoje a estação é melhor do que era em 2000?

 

   I.R.: Está melhor, claro, e daqui a 17 anos estará melhor ainda. O percurso da RTP, embora nem sempre fácil, é muito sólido.

 

 

   ACQJFM.: O que é que gostava que o futuro profissional lhe reservasse?

 

   I.R.: Gosto mais de apreciar o presente do que ter expectativas. O melhor momento é o agora, porque esse já ninguém me tira – e isto aprendi com uma das pessoas mais especiais com quem me cruzei na RTP.

 

 

   ACQJFM.: A televisão ainda é a "caixa mágica"?

 

   I.R.: Para a maioria das pessoas, creio que sim. Mas para muitas outras, a caixa mágica de hoje está online ou na box.

 

 

 

Leia também:

postsimples_fichatecnica_V1.png

Ficha Técnica com Pedro David: "Ganhei muito respeito pela minha voz"

postsimples_fichatecnica_V1.png

"Ficha Técnica" com Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

 

 

 

NOTA.: O "A Caixa Que Já Foi Mágica" vai de férias, mas promete regressar em setembro. Até lá, se for o caso, umas boas férias também para si :)

Pior a emenda

facebook.jpg

 

65743548_SC-TV-Estreia-da-novela-Novo-mundo-nova-t

 

   A SIC estreou a novela brasileira "Novo Mundo" em abril. No horário das 19H00, a estação de Carnaxide já era apenas a terceira estação preferida nas audiências.

 

   Com a chegada da história de época ficou ainda pior. Protagonizada por Isabelle Drummond e Chay Suede, "Novo Mundo" atirou a SIC para resultados miseráveis, abaixo até da audiência do programa das manhãs.

 

gosto disto.jpg

 

 

   A solução encontrada foi colocar a produção da Globo para lá das 00H00 e fazer regressar o "Gosto Disto!", apresentado por Andreia Rodrigues e César Mourão. A repetição foi um desastre ainda maior. Chegou a perder para o último episódio de "A Escrava Isaura", da CMTV, e até mesmo a novela que antes ocupava o horário chegou a ter mais público.

 

 

a familia mata.png

 

 

   A aposta ainda mais errada deu lugar, a semana passada, à reposição de "A Família Mata", que conta com Rita Blanco e José Pedro Gomes no elenco. Pouco ou nada mudou. A SIC continua em terceiro num horário importantíssimo. Cristina Ferreira e a TVI estão a léguas de distância e "O Preço Certo", da RTP1, também está longe.

 

   Ou na SIC andam a testar produtos para saber no que apostar em setembro ou então estão sem saber o que fazer. Não é com repetições que se sobem os resultados às 19H00. O "Jornal da Noite", por exemplo, já se recente nas audiências com estes péssimos antecedentes. A estação de Carnaxide tem de se mexer bem e depressa ou corre o risco de precisar de anos para recuperar a dignidade neste horário.

 

facebook.jpg

 

Que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias

facebook.jpg

 

28358671_27062017PEDROROCHA0016-741x486.jpg

 

   Este é um breve comentário àquilo que se passou, esta terça-feira, no Meo Arena. Debruço-me, obviamente, sobre as televisões que se juntaram, pela primeira vez, para uma emissão conjunta e solidária. O objetivo era só um: ajudar as vítimas dos incêndios de Pedrogão Grande.

 

   Queria dormir cedo, mas não consegui. O "Juntos Por Todos" foi um momento belíssimo de compaixão, entreajuda e de esperança. Dormi menos, mas dormi melhor.

 

   Foi bonito ver as caras de todas as televisões juntas por uma missão. Sem rivalidade. Tal como foi bonito ver que os três canais abdicaram de espaços de publicidade em pleno horário nobre. 

 

   Apesar da transmissão conjunta, cada canal teve os seus próprios comentadores e entrevistados. É aqui que destaco a TVI. Que me tenha apercebido, foi a única estação a estar em direto de Pedrogão Grande. Isso deu outra perspetiva à emissão e, também por isso, conseguiu liderar as audiências. Algo que pouco interessa porque, nesta noite, todos ganhámos.

 

   Destaco os dois momentos do espetáculo que mais me marcaram: a incrível prestação da fadista Carminho e o coro que se juntou a Salvador Sobral quando se cantou "Amar Pelos Dois".

 

   Que eventos como este se repitam e não só quando existam desgraças. Caso contrário, que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias.

 

Lê também:

Mais de 2 milhões estiveram "Juntos Por Todos"

 

facebook.jpg

 

Mais de 2 milhões estiveram "Juntos Por Todos"

 

 

image.jpg

 

 

A emissão conjuta entre RTP1, SIC e TVI rendeu ao "Juntos Por Todos", esta terça-feira, mais de 2 milhões e 700 mil espetadores.

 

facebook.jpg

 

 

 

   A TVI foi o canal preferido pelos portugueses para seguir a emissão do evento de ajuda às vítimas dos incêndios em Pedrogão Grande. Embora os três canais generalistas partilhassem a transmissão, cada um escolheu as suas caras para comentar o concerto e o ambiente no MEO Arena.

 

   A estação de Queluz de Baixo registou 13,3% de audiência média e 31,3% de quota de mercado. Estes valores correspondem a 1 milhão e 287 mil espectadores. 

 

   A SIC foi a segunda escolha dos portugueses. "Juntos Por Todos" registou cerca 808 mil espetadores em média. O valor foi de 8,3% de rating e 19,7% de quota média de mercado.

 

   A RTP1 foi a terceira escolha no horário nobre de ontem. O evento registou 7,2 % de rating e 16,8% de share. Este valor  significa que mais de 692 mil espetadores estiveram ligados ao canal público.

 

   A estes números das televisões somam-se ainda aqueles que seguiram a emissão pelas rádios nacionais ou pela Internet.

 

Lê também um breve comentário sobre o espetáculo:

Que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias

28358671_27062017PEDROROCHA0016-741x486.jpg

 

Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) para 27 de junho de 2017. Os números apresentados são da responsabilidade da GfK/CAEM.

 

 

 

 

facebook.jpg

 

"Juntos Por Todos"

   

facebook.jpg

 

juntosportodos_Capa.jpg

 

   Esta terça-feira (27/06), a RTP1, a SIC e a TVI emitem um concerto de homenagem às vítimas dos fogos florestais de Pedrógão Grande e zonas envolventes. A esta transmissão, em simultâneo pelas três televisões, juntam-se também todas as rádios. O valor dos bilhetes vai inteiramente para aqueles que foram prejudicados pelo incêndio que deflagrou a 24 de junho.

 

   Felizmente, os canais generalistas portugueses juntaram-se para um bem maior. É a primeira vez que o fazem e merecem um aplauso por isso. Vão abdicar da suas programações para emitir um evento em simultâneo. Sabem que vão perder audiências, porque vão dividi-las, mas sabem também que é preciso ajudar.

 

   No outro dia assisiti a uma entrevista a Carminho. A fadista dizia que "somos rivais quando está tudo bem, quando está tudo mal somos parceiros", numa alusão à rivalidade no mundo artístico e focando-se neste evento. Esta é a frase que melhor define este gesto das televisões portuguesas, das rádios e dos artistas.

 

   Tenho ainda  de enaltecer a atitude da SIC na semana que passou. Na segunda e na sexta-feira, dedicou a programação das manhãs e das tardes à tragédia que assolou a zona centro do país.

 

   Durante dois dias, abdicou de ganhar dinheiro com as chamadas de valor acrescentado, para angariar dinheiro que será doado a quem precisa. Obviamente que houve uma exploração da tragédia para conseguir audiências.

 

   Neste caso não condeno. Que tenha tido conhecimento, mais nenhum canal teve a grandeza deste gesto, que correspondeu a uma generosa quantia monetária, mas que nem por isso gerou melhores audiências para a estação de Carnaxide. A SIC merece os parabéns por esta atitude.

 

   O concerto tem início pelas 21h00, no MEO Arena, e a receita obtida será entregue à União Das Misericórdias Portuguesas.

   O "Juntos Por Todos" é uma iniciativa civil, co-produzida pela Sons em Trânsito , Nação Valente, MEO Arena, Blueticket, RTP, SIC, TVI e artistas participantes. São eles: Agir, Amor Electro, Ana Moura, Aurea, Camané - Página oficial, Carlos do Carmo, Carminho, D.A.M.A, David Fonseca, Diogo Piçarra , Gisela João, Helder Moutinho Official , João Gil, Jorge Palma, Luisa Sobral, Luís Represas, Matias Damásio, Miguel Araújo, Paulo Gonzo, Pedro Abrunhosa, Raquel Tavares, Rita Redshoes, Rui Veloso Oficial, Salvador Sobral e Sérgio Godinho. Os bilhetes já estão esgotados, mas o "bilhete solidário" pode ainda ser comprado.

 

facebook.jpg