Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Blog de opinião sobre a televisão portuguesa

Uma canção que não é brinquedo

Netta%20Barzilai.jpg_11471527_ver1.0_1280_720.jpg

 

facebooknovo.jpg

 

   Há dois assuntos sobre os quais ainda quero escrever acerca do "Festival Eurovisão da Canção 2018". O primeiro é uma espécie de defesa da música vencedora, a de Israel, e o segundo trata-se do merecido elogio à prestação de Filomena Cautela enquanto apresentadora do espetáculo. Por agora, fico-me pelo primeiro.

 

   O júri e a maioria do público vontante escolheu a canção "Toy", interpretada por Netta Barzilai, para vencer o certame. Por outro lado, há uma imensidão de outro público que a critica.

 

   Que me desculpem os críticos musicais, os cultos e os mal informados, que incluem muitas vezes os dois anteriores, mas a canção vencedora não se resume a uma gorda que imita uma galinha.

 

   Em 2015, a ONU afirmou que Israel era o país do Mundo que mais violava o Direito das Mulheres. Netta foi vítima de bullying durante a infância e a adolescência. Segundo o "Folha de São Paulo", a cantora chegou a perder trabalhos devido à sua forma física. Estudou música na banda da Marinha, enquanto cumpriu os dois anos de serviço militar obrigatório naquele país, e estuda ainda eletrónica na Escola de Música Contemporânea Rimon.

 

   Em "Toy", a cantora imita o cacarejar de uma galinha. Ridículo? Talvez sim, mas há uma razão válida. Esses sons representam a forma como Barzilai interpreta os insultos dos "cobardes" que praticam atos de bullying. A música que levou à final de Lisboa associou-se ao movimento #Metoo, criado para combater o assédio sexual. Na letra, a mulher de Israel afirma não ser "um brinquedo". Não é ela, nem é mulher nenhuma.

 

   Concordo que "Amar Pelos Dois" é uma música melhor e mais bonita, o que não quer dizer que "Toy" seja terrivelmente má. A música de Netta diverte-me e isso basta-me. Há espaço e ocasiões para tudo. Se a canção de Salvador Sobral tocar numa discoteca, por exemplo, não me vai soar bem a mim nem a niguém.

 

   A "baleia" e "asquerosa" como, infelizmente, alguns lhe chamam nas redes sociais, venceu com justiça o "Festival Eurovisão da Canção". Se é verdade que existiam a concurso melhores canções, também é verdade que muitas delas não tinham uma mensagem tão importante para passar. 

 

Leia também:

"Final da Eurovisão é a mais vista dos últimos 10 anos"

eight_col_Netta.jpg

 

"Deixem a eurovisão portuguesa em paz!"

21011988_jthVZ.jpg

 

 

facebooknovo.jpg

 

 

Final da Eurovisão é a mais vista dos últimos 10 anos

eight_col_Netta.jpg

facebooknovo.jpg

 

A RTP emitiu, no sábado (12/05), a final do "Festival Eurovisão da Canção" que foi seguida por uma média de 1 milhão e 548 mil espectadores.

 

   A transmissão do evento realizado, pela primeira vez em Portugal, rendeu ao canal público a melhor audiência desde 2008. Os 1 milhão e 548 mil espectadores traduzem-se em 16 % de rating e 36,4% de quota média de mercado. A emissão do certame liderou a noite de sábado do início ao fim. O minuto mais visto aconteceu já bem perto do final do espetáculo, altura em que o público estava próximo de saber se o vencedor seria Israel ou o Chipre. Às 23h39 a RTP1 era seguida por cerca de 1 milhão e 897 mil espectadores, o que corresponde a 19,6% de rating e 50,2% de share.

 

ESC-2018-final-rtp1.png

 

   Para encontrar um resultado melhor que o deste ano, são precisos recuar 10 anos, altura em que Vânia Fernandes cantou "Senhora do Mar" e havia a esperança na melhor pontuação de sempre, o que acabou por não acontecer. Em 2008, 1 milhão e 716 mil portugueses viram a final de Belgrado.

 

   Já em 2017, ano em que Salvador Sobral venceu com a canção "Amar Pelos Dois", a final foi acompanhada por uma média de 1 milhão e 401 mil espectadores. Contudo, o momento mais visto já bem perto do final da emissão, registou uma média de 2 milhões e 372 mil espectadores.

 

   Subida generalizada de audiências na Europa

 

   Algumas televisões europeias já deram a conhecer as audiências da final de sábado.

 

   Espanha registou uma média de 7,2 milhões de telespectadores, mais 3,15 milhões de telespectadores do que em 2017.

 

   Itália registou o segundo melhor valor desde que regressou ao certame em 2011. Em média, 3, 430 milhões de espectadores acompanharam a transmissão.

 

   No Reino Unido, a emissão da BBC1 foi vista por uma média de 6,9 milhões de espectadores o que significa um aumento de público relativamente ao ano passado.

 

   Já em França, 5,15 milhões de pessoas acompanharam o Festival. Foi a maior audiência desde 2009.

 

   O Chipre, que ficou em segundo lugar com o tema "Fuego", chegou a registar 93,4% de share, o que significa que 9 em cada 10 pessoas que tinham a televisão ligada, assistiam ao "Festival Eurovisão da Canção".

 

Alguns dados apresentados são provisórios, da responsabilidade da CAEM/GfK e podem sofrer alterações. Incluem Vosdal.

 

facebooknovo.jpg

 

RTP 1 - O melhor e o pior de 2017

facebooknovo.jpg

 

2017 está a terminar e chegou a altura de fazer o tradicional balanço do ano. Uma escolha para o pior e uma escolha para o pior de cada canal. A RTP 1 é a primeira estação a entrar neste balanço.

 

 

 

   O Pior:

 

transferir.jpg

 

   Neste ano, a RTP apostou forte em séries. Um investimento alargado que nem sempre correu bem. Nenhuma delas foi um sucesso e só uma ou duas conseguiram resultados menos maus, como por exemplo, "Sim, Chef!". Já na qualidade, "Madre Paula" esteve uns furos acima de todas as outras.

 

   No conjunto das propostas do canal público, elejo "A Criação" como o pior do ano. Trata-se de uma fábula em que atores vestem, literalmente, a "pele" de animais. Esses animais trabalham numa agência criativa. Muito poucos foram os que viram, eu tentei e não consegui. É intragável, sem sentido e um mau investimento.

 

 

   O Melhor:

 

27949957_05_13T235759Z_1572185948_RC118BE1F190_RTR

 

   O acontecimento televisivo do ano pertenceu à RTP. Contra todos e até contra nós próprios, a estação, Salvador Sobral e Portugal venceram o Festival Eurovisão da Canção.

 

   Após um ano de interregno, o "Festival da Canção" voltou renovado para melhor. Elegeu-se "Amar Pelos Dois" para representar o país no certame europeu, mas sem grandes expetativas. A situação começou a mudar de figura quando Luísa Sobral, autora da letra da música, substituiu o irmão nos primeiro ensaios. O burburinho que se criou foi muito agradável. A partir daí, foi sempre a subir em direção à vitória. 

 

   Portugal venceu a Eurovisão 2017, com a melhor pontuação de sempre no que aos vencedores diz respeito, e será o país a organizar, pela primeira vez, o espetáculo em 2018.

 

   

   Artigos relacionados:

   SIC - O melhor e o pior de 2017;

   TVI - O melhor e o pior de 2017

facebooknovo.jpg

 

Que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias

facebook.jpg

 

28358671_27062017PEDROROCHA0016-741x486.jpg

 

   Este é um breve comentário àquilo que se passou, esta terça-feira, no Meo Arena. Debruço-me, obviamente, sobre as televisões que se juntaram, pela primeira vez, para uma emissão conjunta e solidária. O objetivo era só um: ajudar as vítimas dos incêndios de Pedrogão Grande.

 

   Queria dormir cedo, mas não consegui. O "Juntos Por Todos" foi um momento belíssimo de compaixão, entreajuda e de esperança. Dormi menos, mas dormi melhor.

 

   Foi bonito ver as caras de todas as televisões juntas por uma missão. Sem rivalidade. Tal como foi bonito ver que os três canais abdicaram de espaços de publicidade em pleno horário nobre. 

 

   Apesar da transmissão conjunta, cada canal teve os seus próprios comentadores e entrevistados. É aqui que destaco a TVI. Que me tenha apercebido, foi a única estação a estar em direto de Pedrogão Grande. Isso deu outra perspetiva à emissão e, também por isso, conseguiu liderar as audiências. Algo que pouco interessa porque, nesta noite, todos ganhámos.

 

   Destaco os dois momentos do espetáculo que mais me marcaram: a incrível prestação da fadista Carminho e o coro que se juntou a Salvador Sobral quando se cantou "Amar Pelos Dois".

 

   Que eventos como este se repitam e não só quando existam desgraças. Caso contrário, que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias.

 

Lê também:

Mais de 2 milhões estiveram "Juntos Por Todos"

 

facebook.jpg

 

Salvador e Luísa sobem audiência da RTP

facebook.jpg

 

db8f20443bf95e31606397fd3e524384.jpg

 

A entrevista dos irmãos ao canal público, que foi para o ar esta terça-feira, foi seguida por cerca de 890 mil espetadores.

 

 

 

   A primeira entrevista de Salvador Sobral, após a vitória no Festival Eurovisão da Canção, fez com a que a RTP quase duplicasse a sua audiência às 21H00. O valor médio da estação no horário ronda os 4% ou 5% de rating.

 

   O especial conduzido por Vítor Gonçalves, e que contou também a presença de Luísa Sobral, registou uma audiência média de 8,5% de rating e 18,1% de quota de mercado.

 

   A entrevista foi o 6º. programa mais visto de terça-feira e o que melhor resultado registou na estação do Estado.

 

   Recorde-se que Salvador Sobral venceu, no passado dia 13 de maio, o Festival Eurovisão da Canção. A música "Amar Pelos Dois" foi escrita pela irmã, Luísa Sobral, e deu a Portugal a primeira vitória no certame internacional.

 

 

Lê também:

postsimples_fichatecnica_V2.png

Ficha Técnica com a "voz" da TVI: "Ganhei muito respeito pela minha voz"

postsimples_fichatecnica_V2.png

Ficha Técnica com Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

  

Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) para 23 de maio de 2017. Os números apresentados são da responsabilidade da GfK/CAEM.

 

facebook.jpg

 

 

 

Salvador amou primeiro para aprendermos a amar depois

   

facebook.jpg

 

05962541_9872a7434f89ff5cc8afcd5c232ce0ca.nbcnews-

 

   

   Muito se vai escrever e muito se vai dizer sobre a vitória de Salvador Sobral no Festival Eurovisão da Canção. Este é um texto de um jovem que segue, há vários anos, o espetáculo europeu. De alguém que percebeu desde o início a beleza de "Amar Pelos Dois", mas que achou que esta canção não era festivaleira o suficiente para nos dar uma boa classificação.

 

   Foi essa a lição que Salvador e Luísa Sobral me deram a mim e a muitos portugueses. Não precisamos de ser iguais ao que vemos, ou seguir padrões. Temos de ser fiéis a nós próprios, temos de dar aquilo que de melhor temos e, sobretudo, temos de gostar daquilo que é nosso.

 

   Depois da vitória na final nacional, aprendi a olhar aquela canção com outros olhos, com outros ouvidos. Aconteceu-me a mim e terá acontecido com tantos outros portugueses. Salvador amou primeiro para aprendermos a amar depois.

 

   Foi também preciso que os "outros" adorassem e dissessem que podíamos vencer para, só depois, nós a adorarmos e acreditarmos também.

 

   Pela primeira vez, quisemos ganhar, pela primeira vez, a RTP quis ganhar. Tivemos orgulho e juntámo-nos em redor desta canção. Isso fez também a diferença.

 

   Curiosamente, vencemos no ano seguinte de termos ganho o Europeu de futebol, na Ucrânica. Em 2005, o mesmo aconteceu com a Grécia. Venceu o Euro 2004 e, no ano seguinte, ganhou o Festival também em Kiev.

 

   A vitória de ontem vai mudar muitas coisas. Haverá outro respeito pelo Festival Eurovisão da Canção. Provavelmente, deixará de haver vergonha dos bons artistas portugueses em participar e haverá uma nova forma de pensar as participações nacionais.

 

   Mais uma vez, estamos nas bocas do Mundo pelas melhores razões. Parabéns Salvador! Parabéns Luísa! Parabéns RTP! Parabéns Portugal!

 

Artigo relacionado:

Festival é o programa mais visto de sábado

 

facebook.jpg

Festival é o programa mais visto de sábado

facebook.jpg

 

1494734449385.jpg

 

O Festival Eurovisão da Canção liderou, ontem, durante toda a emissão.

 

 

   Portugal venceu, pela primeira vez, o certame musical europeu. A vitória de Salvador Sobral foi acompanhada por  14,5% de audiência média e 32,5% de share. Estes números correspondem a uma média de 1 milhão e 400 mil telespetadores.

 

   Pelas 20H55, quando era cantada a música "Amar Pelos Dois", a RTP1 marcava mais de 1 milhão e 800 mil telespetadores. 

 

   O maior pico deu-se às 23H38, quando Salvador Sobral erguia o troféu. Mais de 2 milhões de portugueses estavam ligados ao canal do Estado, que correspondem a 24,5% de audiência média e 57,5% de share. Este valor só é registado, por exemplo, em grande partidas de futebol.

 

   A RTP1 liderou o dia, marcando o seu máximo do ano. A TVI ficou em segundo lugar e a SIC foi o terceiro canal mais visto de sábado.

 

 Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) para 13 de maio de 2017. Os números apresentados são da responsabilidade da GfK/CAEM.

facebook.jpg

 

Salvador "faz batota" e já é favorito à vitória

facebook.jpg

 

C_frtxQXsAMH7oW.jpg

 

Portugal subiu, esta sexta-feira, ao primeiro lugar nas preferências dos apostadores para vencer o Festival Eurovisão da Canção.

 

 

   No site eurovisionworld.com, que faz a média de várias casas de apostas, Portugal estava desde 6 maio no segundo lugar do pódio para vencer o Festival deste ano. Esta sexta-feira, destronou a Itália do primeiro lugar, canção que ocupava esse posto desde 18 de fevereiro deste ano.

 

   Também o Google, através do Google News Lab, mediu as pesquisas, no seu motor de busca, para analisar as hipóteses de cada país na corrida à vitória no certame musical. A canção portuguesa "Amar Pelos Dois", tornou-se na participação mais pesquisada, deixando a Austrália em segundo lugar por larga margem.

 

   A imprensa portuguesa e internacional estão a lançar cada vez mais notícias acerca da participação de Salvador Sobral no Festival. Numa crónica sobre a primeira semi-final, o jornal "The Telegraph", afirma que Portugal seria um justo vencedor, apesar de fazer "batota". Pode ler-se: "Mandar uma canção artística e muito bem-feita à Eurovisão é, do ponto de vista técnico, fazer batota", afirmou a jornalista da publicação britânica.

 

   Por cá, o Sport Lisboa e Benfica, que pode vencer o campeonato português de futebol também no sábado, surpreendeu ao apelar ao voto em Salvador Sobral, nas redes sociais.

 

 

   Portugal sobe ao palco este sábado, 13 de maio, e é a 11ª. canção a apresentar-se num total de 25.

 

Artigos relacionados:

Salvador dá minuto mais visto do dia à RTP

Salvador a caminho da vitória - "13 Reasons Why"

Milagre de 13 de maio

A concorrência de Salvador

facebook.jpg

 

Salvador dá minuto mais visto do dia à RTP

facebook.jpg

 

salvador-1-850x567.jpeg

 

A semi-final do Festival Eurovisão da Canção registou, ontem na RTP1, uma média de 946 mil espetadores.

 

   

   Salvador Sobral subiu ao palco do Kiev, na Ucrânia, para interpretar o tema "Amar Pelos Dois". Esse momento valeu à RTP1 o minuto mais visto do dia. Ás 20H46, no momento é que o português cantou, o canal do Estado registou uma média de 12,4% de rating e 28,2% de quota de mercado.

 

   A primeira semi-final rendeu à estação pública uma média de 9,8% de rating e 22,7% de share, tornando-se no 6º. programa mais visto de terça-feira. 

 

   Na mesma faixa horária, o "Jornal das 8" e "Ouro Verde", da TVI, foram vice líderes. Já os programa das SIC, "Jornal da Noite", "Amor Maior" e "Espelho D´Água" ficaram-se pela terceira posição.

 

   Também ontem o site da RTP registou o maior número de visitas desde o "Euro 2016".

 

   Salvador Sobral sobe novamente ao palco da Eurovisão no próximo sábado para representar Portugal.

 

Artigos relacionados:

Salvador a caminho da vitória - "13 Reasons Why"

Milagre de 13 de maio

 Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) para 09 de maio de 2017. Os números apresentados são da responsabilidade da GfK/CAEM.

facebook.jpg

 

Salvador a caminho da vitória - "13 Reasons Why"

facebook.jpg

 

4.jpg

 

Salvador Sobral sobe hoje ao palco da Eurovisão para representar Portugal.

 

 

   Terça-feira é o primeiro grande dia para "Amar Pelos Dois" (vê o último ensaio). A música que representa Portugal no Festival Eurovisão da Canção de 2017 é a nona a apresentar-se na primeira semi-final. 

 

   Salvador Sobral, o interprete, é um dos grandes favoritos à vitória da final do próximo sábado.

 

   Há 13 razões, numa clara inspiração numa das séries mais badaladas do momento, "13 Reasons Why" (Por 13 razões), para Portugal vencer o certame pela primeira vez.

 

   Umas são mais plausíveis que outras, mas não deixam de ser razões.

 

   Conhece a lista:

 

   1º. Conchita Wurst, vencedora do Festival em 2014, e uma das mais badaladas vencedoras até aos dias de hoje, elogiou a música do representante português através do Twitter;

 

   2º. Nunca uma canção portuguesa tinha estado no segundo lugar das preferências dos apostadores para vencer o Festival;

 

   3º. As melhores posições que Portugal conseguiu no concurso foram conseguidas com músicas cantadas em português. "Amar pelos dois" é cantada integralmente na língua de Camões;

 

   4º. A doença cardíaca de Salvador Sobral é um tema que marca a sua participação. Seja em que país for, todos adoram um bom drama;

 

   5º. Loreen, vencedora em 2012, foi participante do programa "Ídolos", não tinha televisão e nunca tinha visto o festival. Salvador também ficou conhecido no mesmo formato e afirmou, em entrevista à RTP1, que não vê televisão nem segue o espetáculo anual;

 

   6º. A grande final é no dia 13 de maio. Nessa data comemoram-se os 100 anos das supostas aparições de Fátima. A vitória de Portugal na Eurovisão seria um novo milagre. No mesmo dia, o Sport Lisboa e Benfica poderá torna-se novamente campeão nacional de futebol. Portugal manteria, assim, a tradição de ser o país do "fado, de Fátima e do futebol";

 

Lê também:

postsimples_fichatecnica_V1.png

Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

 

   7º. A comunicação social internacional está rendida a "Amar Pelos Dois" como nunca antes tínhamos visto. O jornal inglês "Metro" escreveu que "o mundo está a apaixonar-se pelo melhor candidato português de sempre", referindo-se ao jovem de 27 anos;

 

   8º. Além da comunicação social internacional, também a portuguesa está interessada na participação nacional como há muitos anos não estava ou, provavelmente, como nunca esteve. Todos os dias há novas notícias sobre tudo o que envolve o país na Eurovisão;

 

   9º. Se as pesquisas no motor de busca "Google" contassem, a canção portuguesa arrecadaria, pelo menos, o 5º. lugar;

 

   10º. Mesmo com Luísa Sobral, irmã de Salvador, a assumir os dois primeiro ensaios, Portugal subiu posições nas casas de apostas e encurtou a distância para a Itália, que está em primeiro lugar;

 

   11º. Na "red carpet", Salvador Sobral foi o penúltimo a desfilar. Segundo o ditado: " Os últimos são os primeiros".

 

   12º. O penteado do cantor e músico é igual ao de Éder. O jogador marcou o golo que deu a vitória à seleção portuguesa no Europeu de futebol em 2016.

 

17098217_10207859374433580_5697359014241356166_n.j

 

   13º. Pela primeira vez, desde 1964, os portugueses acreditam que o país pode ganhar o Festival Eurovisão da Canção. Também, em muitos anos, sentem orgulho no representante e na música escolhida. Quando nos unimos, juntamos e mostramos que temos orgulho em ser aquilo que somos, ninguém nos bate.

 

   

   Portugal sobe ao palco hoje, depois das 20h00, para tentar apurar-se para a final do próximo sábado.

   A RTP1 vai transmitir o certame em direto nos dois dias.

 

Artigos relacionados:

"Milagre de 13 de maio";

"A concorrência de Salvador";

"Final Inteligente".

facebook.jpg

 Atualização: (09-05-2017 às 13H13)