Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Blog de opinião sobre a televisão portuguesa

Fora do retângulo - Portugueses de viagem

foradoretangulo.jpg

   

   Diogo Morgado vai regressar a Portugal, na TVI, depois do seu sucesso nos Estados Unidos da América. Ao contrário, há outros atores portugueses que partem para novos projetos fora do país.

 

   É o caso de Pêpê Rapazote. O ator, que podemos ver atualmente na novela "Rainha das Flores", da SIC, está de malas aviadas para o continente americano. O português vai fazer parte da 3ª. temporada da famosa série "Narcos", inspirada na vida de Pablo Escobar.

 

 

 

 

   

   O ator de 46 anos vai vestir a pele de Chepe, um barão da droga em Cali, na Colômbia. As gravações tiveram início no passado mês de outubro.

 

   Também Maria João Bastos está de partida. A atriz, cujo último trabalho foi em "Coração D´Ouro", da SIC, está de regresso ao Brasil.

 

 

 

 

 

   

   A TV Globo voltou a chamar a portuguesa para entrar numa das suas produções, depois das participações em "O Clone" e "Boggie Oggie". Maria João vai fazer, pela primeira vez, par romântico com Ricardo Pereira na novela "Novo Mundo", ambientada nos anos 1800. A estreia está marcada para o próximo ano.

 

"Abre olhos"

 

Depois de uma pausa regresso ao ativo aqui no blog. Confesso que durante estes dias não tenho visto muita televisão até porque estamos em "época baixa" e não há nada de realmente novo que me prenda a atenção.

 

Debruço-me, então, sobre o Verão Total da RTP1. Este ano, como em tantos outros, o programa passou por Santa Cruz - Torres Vedras e, por ser a minha terra natal, despertou-me a atenção.

 

 

Desde logo fiquei surpreendido e ao mesmo tempo desagradado com a escolha de um dos apresentadores ou uma amostra disso. Pêpê Rapazote, ator e protagonista de Bem-Vindos a Beirais, assumiu o papel de anfitrião.

 

Com tantos apresentadores e repórteres nos quadros era mesmo necessário utilizar um ator? Estão todos de férias? Se estão, não deviam estar. Conto assim muito por alto umas dez pessoas que costumam fazer talk-shows e outra tantas que assumem lugares na apresentação de programas.

 

Pêpê Rapazote fez o que pôde e fez também aquilo que não podia fazer. Durante uma intervenção, aliciou os espetadores a telefonar para um passatempo e incentivou o público a comprar droga com esse dinheiro. Ora isto é uma tremenda estupidez e estou a ser simpático.

 

Mais uma vez digo que a RTP é um canal de serviço público mas mesmo que esta situação tivesse acontecido na SIC ou na TVI continuaria a ser intolerável.

 

Não vou ser mais papista que o Papa. Foi um ato isolado, um devaneio de alguém que não devia estar ali. Não me parece, portanto, que a RTP deva ser multada pela ERC porque esta situação já foi suficientemente má e deve ter servido de lição.

 

Não é apresentador quem quer. É apresentador quem pode, quem tem talento e que trabalhou para isso. A RTP tem gente que chega e sobra para apresentar programas e alguns que merecem mais destaque ou até uma hipótese para mostrar trabalho.

 

Espero que tenha aprendido!

A conquista do campo

 

 Diogo sofre um ataque cardíaco e decide mudar-se da cidade para uma aldeia. Este é o ponto de partida de Bem-Vindos a Beirais.

 

 

 

 

A série das noites da RTP tem conquistado público de dia para dia e, no início de fevereiro, tem conseguido os seus melhores resultados, quase na barreira do milhão de espectadores, algo que o canal público não conseguia conquistar há muitos meses, ou anos, pelo menos de forma sistemática.

 

Beirais não é nenhuma grande série e não precisa de o ser. Mostra uma realidade que muitos citadinos não conhecem. A vida nas aldeias não é tão pacata ou tão retrógrada como muitos podem pensar. Digo com conhecimento de causa porque sempre vivi numa.

 

Provavelmente, poucos conhecem a realidade, por exemplo, do associativismo no meio rural. Nessas associações criam-se infra-estruturas e festas anuais capazes de "chamar" publico às centenas, apenas com o trabalho não remunerado de algumas pessoas. Fazem-no por amor à terra e isso chega-lhes.

 

Pode também dizer-se que uma série, que é praticamente uma novela, é algo que as televisões privadas já dão ao público. É verdade mas não isso que o público quer?

 

É! E porque é que a RTP não pode dar ao público o que ele quer e não programas que, culturalmente, até podem ser importantes mas que não têm público?

 

Sou um critico de muito daquilo que a televisão do Estado faz mas veja-se o horário nobre da estação: uma série, um programa de perguntas de cultura geral e um talk-show. Não é diferente das três novelas que SIC e TVI transmitem?

 

Quanto à série em si, como já afirmei, não é nenhum grande produto mas a simplicidade faz dela algo apetecível para o público mais velho. Isto também porque tem no elenco atores que, vá-se lá saber porquê, têm estado fora do ecrã como: Noémia Costa, Luís Aleluia ou Miguel Dias.

 

Bem-Vindos a Beirais vai na segunda temporada e a terceira estreia brevemente. A RTP tem aqui um produto de relativo sucesso e, até que deixe de o ser, não vai abdicar dele. Podia ser pior.