Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Blog de opinião sobre a televisão portuguesa

Uma canção que não é brinquedo

Netta%20Barzilai.jpg_11471527_ver1.0_1280_720.jpg

 

facebooknovo.jpg

 

   Há dois assuntos sobre os quais ainda quero escrever acerca do "Festival Eurovisão da Canção 2018". O primeiro é uma espécie de defesa da música vencedora, a de Israel, e o segundo trata-se do merecido elogio à prestação de Filomena Cautela enquanto apresentadora do espetáculo. Por agora, fico-me pelo primeiro.

 

   O júri e a maioria do público vontante escolheu a canção "Toy", interpretada por Netta Barzilai, para vencer o certame. Por outro lado, há uma imensidão de outro público que a critica.

 

   Que me desculpem os críticos musicais, os cultos e os mal informados, que incluem muitas vezes os dois anteriores, mas a canção vencedora não se resume a uma gorda que imita uma galinha.

 

   Em 2015, a ONU afirmou que Israel era o país do Mundo que mais violava o Direito das Mulheres. Netta foi vítima de bullying durante a infância e a adolescência. Segundo o "Folha de São Paulo", a cantora chegou a perder trabalhos devido à sua forma física. Estudou música na banda da Marinha, enquanto cumpriu os dois anos de serviço militar obrigatório naquele país, e estuda ainda eletrónica na Escola de Música Contemporânea Rimon.

 

   Em "Toy", a cantora imita o cacarejar de uma galinha. Ridículo? Talvez sim, mas há uma razão válida. Esses sons representam a forma como Barzilai interpreta os insultos dos "cobardes" que praticam atos de bullying. A música que levou à final de Lisboa associou-se ao movimento #Metoo, criado para combater o assédio sexual. Na letra, a mulher de Israel afirma não ser "um brinquedo". Não é ela, nem é mulher nenhuma.

 

   Concordo que "Amar Pelos Dois" é uma música melhor e mais bonita, o que não quer dizer que "Toy" seja terrivelmente má. A música de Netta diverte-me e isso basta-me. Há espaço e ocasiões para tudo. Se a canção de Salvador Sobral tocar numa discoteca, por exemplo, não me vai soar bem a mim nem a niguém.

 

   A "baleia" e "asquerosa" como, infelizmente, alguns lhe chamam nas redes sociais, venceu com justiça o "Festival Eurovisão da Canção". Se é verdade que existiam a concurso melhores canções, também é verdade que muitas delas não tinham uma mensagem tão importante para passar. 

 

Leia também:

"Final da Eurovisão é a mais vista dos últimos 10 anos"

eight_col_Netta.jpg

 

"Deixem a eurovisão portuguesa em paz!"

21011988_jthVZ.jpg

 

 

facebooknovo.jpg

 

 

Final da Eurovisão é a mais vista dos últimos 10 anos

eight_col_Netta.jpg

facebooknovo.jpg

 

A RTP emitiu, no sábado (12/05), a final do "Festival Eurovisão da Canção" que foi seguida por uma média de 1 milhão e 548 mil espectadores.

 

   A transmissão do evento realizado, pela primeira vez em Portugal, rendeu ao canal público a melhor audiência desde 2008. Os 1 milhão e 548 mil espectadores traduzem-se em 16 % de rating e 36,4% de quota média de mercado. A emissão do certame liderou a noite de sábado do início ao fim. O minuto mais visto aconteceu já bem perto do final do espetáculo, altura em que o público estava próximo de saber se o vencedor seria Israel ou o Chipre. Às 23h39 a RTP1 era seguida por cerca de 1 milhão e 897 mil espectadores, o que corresponde a 19,6% de rating e 50,2% de share.

 

ESC-2018-final-rtp1.png

 

   Para encontrar um resultado melhor que o deste ano, são precisos recuar 10 anos, altura em que Vânia Fernandes cantou "Senhora do Mar" e havia a esperança na melhor pontuação de sempre, o que acabou por não acontecer. Em 2008, 1 milhão e 716 mil portugueses viram a final de Belgrado.

 

   Já em 2017, ano em que Salvador Sobral venceu com a canção "Amar Pelos Dois", a final foi acompanhada por uma média de 1 milhão e 401 mil espectadores. Contudo, o momento mais visto já bem perto do final da emissão, registou uma média de 2 milhões e 372 mil espectadores.

 

   Subida generalizada de audiências na Europa

 

   Algumas televisões europeias já deram a conhecer as audiências da final de sábado.

 

   Espanha registou uma média de 7,2 milhões de telespectadores, mais 3,15 milhões de telespectadores do que em 2017.

 

   Itália registou o segundo melhor valor desde que regressou ao certame em 2011. Em média, 3, 430 milhões de espectadores acompanharam a transmissão.

 

   No Reino Unido, a emissão da BBC1 foi vista por uma média de 6,9 milhões de espectadores o que significa um aumento de público relativamente ao ano passado.

 

   Já em França, 5,15 milhões de pessoas acompanharam o Festival. Foi a maior audiência desde 2009.

 

   O Chipre, que ficou em segundo lugar com o tema "Fuego", chegou a registar 93,4% de share, o que significa que 9 em cada 10 pessoas que tinham a televisão ligada, assistiam ao "Festival Eurovisão da Canção".

 

Alguns dados apresentados são provisórios, da responsabilidade da CAEM/GfK e podem sofrer alterações. Incluem Vosdal.

 

facebooknovo.jpg

 

Deixem a Eurovisão portuguesa em paz!

e2bbdeadd61e6719cc403f4afb3cb0591_770x433_acf_crop

 

facebooknovo.jpg

 

   Escrevi este texto ao mesmo tempo em que estava a assistir à segunda semifinal do Festival Eurovisão da Canção 2018. 

   Não quero fazer deste um artigo de "bota abaixo" e muito menos escrever um texto daquilo que a RTP não fez ou devia ter feito. Quero antes fazer um elogio àquilo que foi capaz de construir.

   Com duas semifinais vistas, há duas conclusões que posso tirar: 

   A vitória de Salvador Sobral, em 2017, fez com que os países, sobretudo os do sul da Europa, apostassem em músicas na sua língua materna e que outros apostassem em canções com um teor menos "festivaleiro". Ou seja, alterou-se o paradigma daquilo que todos achávamos poder ser uma música vencedora. 

   Por outro lado, a exclusão dos painéis que permitiam a exibição de vídeos ao longo das atuações foi uma aposta ganha da RTP. A utilização de jogos de luz centrou a atenção na canção e muito menos naquilo que acontece em torno dela. 

   O canal português conseguiu, com o orçamento mais baixo dos últimos 10 anos, criar uma "Eurovisão" diferente. Essa diferença tornou-a numa das melhores edições da história recente.

   Não posso deixar ainda de comentar a prestação de Catarina Furtado, numa altura em que é alvo de duras críticas nas redes sociais e na imprensa pelo seu inglês. 

   Chocava-me se a apresentadora não soubesse utilizar bem o português. Não me choca nada se a sua pronúncia em inglês não é perfeita. 

   Catarina é uma das mais experientes apresentadoras portuguesas. Pautou a sua carreira pelo profissionalismo, aliado à sua elegância. Dedicou e dedica ainda parte do seu tempo e da sua vida a ajudar os outros como Embaixadora da Boa Vontade, nas Nações Unidas. Merece, por tudo isso, estar onde está. 

   Somos tão extraordinários a fazer bem, como aqui pudemos constatar, como somos tão exímios a criticar e a "botar abaixo" aquilo que outros fazem para elevar o nome de Portugal no Mundo.

   Parabéns RTP!

 

Leia também:

postsimples_fichatecnica_V2.png

 

Ficha Técnica com Nuno Carvalho.: "Acredito que a RTP está preparada para dar um espetáculo enorme na Eurovisão"

facebooknovo.jpg

 

 

 

Ficha Técnica com Nuno Carvalho.: "Acredito que a RTP está preparada para dar um espetáculo enorme na Eurovisão"

coverFB_fichatecnica_V2.png

 

facebooknovo.jpg

 

   Nuno Carvalho é Engenheiro Informático na RTP. Está no canal do Estado desde 2003 e acumula a função de Presidente na Casa do Pessoal do canal, delegação do Porto.
 
   Esteve presente na final do "Festival da Canção 2018", em Guimarães, e garante que Portugal está preparado para receber o "Festival Eurovisão da Canção" já em maio deste ano. 
 
   Aos 38 anos, explica ao "Ficha Técnica" as dificuldades da sua profissão, a importância da "Casa do Pessoal" para os funcionários da RTP, a evolução que sentiu desde que está no canal e as exigências da engenharia informática numa estação de televisão.
 

Foto retirada do perfil de Facebook de Nuno Carvalho

 

 
    A Caixa que já foi Mágica.: Qual é o trabalho de um Engenheiro Informático numa televisão como a RTP?
 
   Nuno Carvalho.: A 'televisão' enquanto empresa possui especificidades inerentes à sua atividade. Além dos óbvios sistemas de áudio e vídeo, há um sem fim de sistemas auxiliares que se congregam para gerar o produto final - Televisão e Rádio entregue ao cliente em casa ou em qualquer lugar.
Ser Engenheiro Informático, neste contexto, é lidar com esta quantidade de sistemas diversos, de diferentes fabricantes, com diferentes funcionalidades mas que se interligam de uma forma automática e em tempo real.
 
 
   ACQJFM.: Está na RTP desde 2003. Em mais de 14 anos de trabalho na estação do Estado, quais foram as maiores mudanças que sentiu desde o início da sua colaboração?
 
   N.C.: Em 15 anos de RTP, para mim, a principal diferença foi a chegada do "Digital". 
Assisti e participei no salto tecnológico que foi a migração da área da informação para "digital". Desde 2005 que a RTP passou a dispor de um sistema totalmente informatizado para a produção de noticias. Desde a captura de imagens, a sua edição, sonorização, legendagem até à transmissão televisiva e arquivamento. É um sistema complexo que permitiu acabar com os meios analógicos e, até então, bastante tradicionais.
 
 
   ACQJFM.: O que é que entende por "Digital"?
 
   N.C.: O "digital" é a nova forma global de transmissão de conteúdos. Internet, redes móveis de alta velocidade, redes sociais ou smartphones vieram apresentar uma nova visão da "televisão", da imagem e da produção de conteúdos.  Considero que a RTP vai, no seu dia-a-dia, adaptando-se às novas realidades, mas sem nunca perder o seu cunho, a sua identidade.
 
Leia também:

postsimples_fichatecnica_V1.png 

 
   ACQJFM.: O que é que o cativa, ou motiva, a ser Engenheiro Informático numa estação de televisão?
 
   N.C.: O que me motiva enquanto profissional é estar identificado com a marca/empresa/produto em que trabalho.  Sentir o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no exterior da organização é sinal de que estamos/estou a ser eficiente. O meu contributo é dar o meu melhor todos os dias para que a RTP continue a ser a marca globalmente conhecida, trazendo um reconhecimento acrescido ao que faço.
 
 
   ACQJFM.: Quais são as maiores dificuldades que enfrenta no dia-a-dia?
 
   N.C.: Todas as áreas de negócio possuem as suas prioridades e complexidades, seja a industria robotizada, seja a industria farmacêutica ou química, e ninguém poderá dizer que é mais ou menos critica que outra.
Uma das maiores dificuldades da RTP é a noção do tempo. Dez segundos sem emissão de televisão ou rádio é inaceitável, por isso, somos muitas vezes confrontados com adversidades e temos um espaço temporal muito curto para agir.
Para isso, é necessário capacidade de lidar com o stress, que é um desafio que me alicia pois faz-me estar completamente focado na resolução e que me permite desenvolver uma capacidade analítica acima da média.
 

29683395_1711822822216789_7712412141857166254_n.jp

 

 
 
   ACQJFM.: É Presidente "Casa do Pessoal da RTP", na delegação do Porto. Que importância tem a Instituição para os funcionários e ex-funcionários?
 
   N.C.: A Casa do Pessoal da RTP é quase tão antiga como a própria RTP. Nasceu e cresceu numa época em que a RTP era uma família, literalmente, onde vários membros da famílias trabalhavam no mesmo espaço. 
Com o propósito de promover o desporto, a cultura e o convívio, sentimos as dificuldades que considero transversais a este tipo de associações. Existe um desinteresse generalizado por parte das pessoas em fazer parte, em estar presente, em contribuir. Existe também falta de apoios que nos permitam ser mais ousados nos projetos que idealizamos e nas ofertas que conseguimos para os nossos sócios. 
Por outro lado, a redução do número de funcionários e o aparecimento de mais colaboradores externos em outsourcing, restringe o universo dos nossos sócios e o alcance dos nossos projetos.
Mas as dificuldades não nos impedem de continuar a lutar, procurar oferecer propostas mais vantajosas, mais adaptadas aos tempos modernos, tentando fidelizar sócios mais antigos, e trazer para a nossa "casa" os mais novos.
Um desafio que muito me apraz abraçar.
 

Db5OX1zXcAEG5OD.jpg

 

 
 
   ACQJFM.: Esteve de alguma forma ligado à final do "Festival da Canção 2018". Acredita que o evento foi um teste positivo para a receção da Eurovisão, pela primeira vez, em Portugal?
 
   N.C.: O "Festival da Canção de 2018" foi uma aposta ganha da RTP!
O publico em geral andava nos últimos anos afastado do "Festival da Canção". Com a vitória do Salvador Sobral, o ano passado, e com o facto de este ano se realizar em Portugal, o "Festival da Eurovisão" trouxe de volta muito telespectadores. A RTP soube aproveitar muito bem este facto e oferecer um espetáculo televisivo de grande nível, de realização e produção.
Munindo-se dos parceiros certos, o produto final arquitectado pela RTP, foi uma demonstração inequívoca da nossa capacidade de abraçar projetos ambiciosos e conseguir na sua totalidade supera-los, pois foi isso que aconteceu.
A final do "Festival da Canção", em Guimarães, foi um excelente ensaio para aquilo que nos espera em Maio, no Altice Arena.
Foram testadas soluções, parceiros e formas de trabalho. Foram "treinadas" pessoas e equipas para trabalhar juntas, em busca de um objectivo ambicioso.
 
 
   ACQJFM.: Através do conhecimento que possa ter sobre o assunto, Portugal será capaz de produzir um espetáculo igual ou superior ao dos últimos anos?
 
   N.C.: Tendo estado presente na final em Guimarães, acredito que a máquina está pronta para dar um espetáculo enorme e conseguir superar tudo o que foi realizado até então. 
 
 
   ACQJFM.: A televisão ainda é a "caixa mágica"?
 
   N.C.: A televisão continuará sempre a ser caixa mágica! Poderá sair do móvel da sala e mudar-se para o computador, o smartphone ou dispositivos que ainda vão ser inventados. Poderá configurar-se com tecnologias que permitam mais interacção, poderá dotar-se de 3D, realidade aumentada ou hologramas, mas será sempre a "televisão". 
Independente da forma ou dos conteúdos, independentemente dos novos canais e dos novos 'players', a televisão tradicional continua a definir as normas, os caminhos e as tendências. 

 
Artigos relacionados:

postsimples_fichatecnica_V1.png

Ficha Técnica com Pedro David: "Ganhei muito respeito pela minha voz"

postsimples_fichatecnica_V2.png

"Ficha Técnica" com Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

 

facebooknovo.jpg

 

 

Que Festival foi esse?

Imagem RTPfacebooknovo.jpg

 

 

 

   Desculpem-me o título. Sou natural de Torres Vedras e o Carnaval ainda não me deixou completamente a cabeça. É por isso que adaptei a letra de um sucesso brasileiro do momento, "Que tiro foi esse?", para intitular este artigo sobre o "Festival da Canção". É que, num "tiro", a RTP matou toda a esperança num festival melhor, após a vitória de Salvador Sobral no ano anterior.

 

   A noite de ontem resume-se assim: 13 músicas em que a maioria delas é péssima, um erro na votação que colocou uma música na final em vez de outra e, pelo menos, uma acusação de plágio de uma das canções. Não consigo imaginar cenário pior.

 

   Esperava mais, muito mais. Gostei da música da Anabela, do Janeiro e percebo o entusiasmo com a canção do Peu Madureira. Além disso, pouco ou nada se aproveita. Razoáveis músicas com péssimos interpretes e bons interpretes com péssimas músicas. Um estilo "mais Salvador" predominou na passada noite de domingo e não me parece uma opção inteligente se queremos fazer boa figura no "Festival Eurovisão da Canção".

 

   Quanto às minhas favoritas da noite, creio que "Sem Título" de Janeiro, no estilo e forma de estar do cantor, serão injustiçadas por uma clara comparação a Salvador Sobral. Não posso deixar de comentar a atitude do artista. Comer uma banana enquanto se é entrevistado não é ser-se diferente, é ser-se mal educado. 

 

 

   A música de Anabela, "Para Te Dar Abrigo", até pode não ser maravilhosa mas é bem interpretada e animada.

 

 

   Já "Só Por Ela", vencedora da noite e cantada por Peu Madureira, é uma boa balada com um toque de fado e uma séria candidata à vitória na final. Ainda assim, também é possível compará-la a "Amar Pelos Dois".

 

   No ano passado, na noite em que Portugal venceu o "Festival Eurovisão da Canção", disse a uma amiga que 2018 seria o ano de Diogo Piçarra, ainda sem saber da sua participação. Depois da primeira semifinal, e sem ouvir a sua música, acredito que só não será o eleito à vitória se o júri assim não o entender. Já que me refiro ao júri, muitíssimo bem escolhido por sinal, não posso deixar de criticar Júlio Isidro e To Zé Brito por fazerem saber que preferem a música de Peu Madureira a todas as outras. 

 

   Destaco ainda a prestação de Inês Lopes Gonçalves, na "Green Room". Sóbria, muito bem preparada e com um humor inteligente, conseguiu ser a surpresa da noite pela positiva. Só que neste domingo não se concorria ao "Festival da Apresentação". 

 

   A RTP errou forte e feio em quase tudo. Não pode voltar a fazê-lo! A segunda semifinal e a final precisam de ser irrepreensíveis porque já não há mais espaço para falhas.

 

facebooknovo.jpg

 

 

 

RTP 1 - O melhor e o pior de 2017

facebooknovo.jpg

 

2017 está a terminar e chegou a altura de fazer o tradicional balanço do ano. Uma escolha para o pior e uma escolha para o pior de cada canal. A RTP 1 é a primeira estação a entrar neste balanço.

 

 

 

   O Pior:

 

transferir.jpg

 

   Neste ano, a RTP apostou forte em séries. Um investimento alargado que nem sempre correu bem. Nenhuma delas foi um sucesso e só uma ou duas conseguiram resultados menos maus, como por exemplo, "Sim, Chef!". Já na qualidade, "Madre Paula" esteve uns furos acima de todas as outras.

 

   No conjunto das propostas do canal público, elejo "A Criação" como o pior do ano. Trata-se de uma fábula em que atores vestem, literalmente, a "pele" de animais. Esses animais trabalham numa agência criativa. Muito poucos foram os que viram, eu tentei e não consegui. É intragável, sem sentido e um mau investimento.

 

 

   O Melhor:

 

27949957_05_13T235759Z_1572185948_RC118BE1F190_RTR

 

   O acontecimento televisivo do ano pertenceu à RTP. Contra todos e até contra nós próprios, a estação, Salvador Sobral e Portugal venceram o Festival Eurovisão da Canção.

 

   Após um ano de interregno, o "Festival da Canção" voltou renovado para melhor. Elegeu-se "Amar Pelos Dois" para representar o país no certame europeu, mas sem grandes expetativas. A situação começou a mudar de figura quando Luísa Sobral, autora da letra da música, substituiu o irmão nos primeiro ensaios. O burburinho que se criou foi muito agradável. A partir daí, foi sempre a subir em direção à vitória. 

 

   Portugal venceu a Eurovisão 2017, com a melhor pontuação de sempre no que aos vencedores diz respeito, e será o país a organizar, pela primeira vez, o espetáculo em 2018.

 

   

   Artigos relacionados:

   SIC - O melhor e o pior de 2017;

   TVI - O melhor e o pior de 2017

facebooknovo.jpg

 

Que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias

facebook.jpg

 

28358671_27062017PEDROROCHA0016-741x486.jpg

 

   Este é um breve comentário àquilo que se passou, esta terça-feira, no Meo Arena. Debruço-me, obviamente, sobre as televisões que se juntaram, pela primeira vez, para uma emissão conjunta e solidária. O objetivo era só um: ajudar as vítimas dos incêndios de Pedrogão Grande.

 

   Queria dormir cedo, mas não consegui. O "Juntos Por Todos" foi um momento belíssimo de compaixão, entreajuda e de esperança. Dormi menos, mas dormi melhor.

 

   Foi bonito ver as caras de todas as televisões juntas por uma missão. Sem rivalidade. Tal como foi bonito ver que os três canais abdicaram de espaços de publicidade em pleno horário nobre. 

 

   Apesar da transmissão conjunta, cada canal teve os seus próprios comentadores e entrevistados. É aqui que destaco a TVI. Que me tenha apercebido, foi a única estação a estar em direto de Pedrogão Grande. Isso deu outra perspetiva à emissão e, também por isso, conseguiu liderar as audiências. Algo que pouco interessa porque, nesta noite, todos ganhámos.

 

   Destaco os dois momentos do espetáculo que mais me marcaram: a incrível prestação da fadista Carminho e o coro que se juntou a Salvador Sobral quando se cantou "Amar Pelos Dois".

 

   Que eventos como este se repitam e não só quando existam desgraças. Caso contrário, que se faça poucas vezes, mas que se faça as vezes necessárias.

 

Lê também:

Mais de 2 milhões estiveram "Juntos Por Todos"

 

facebook.jpg

 

"Juntos Por Todos"

   

facebook.jpg

 

juntosportodos_Capa.jpg

 

   Esta terça-feira (27/06), a RTP1, a SIC e a TVI emitem um concerto de homenagem às vítimas dos fogos florestais de Pedrógão Grande e zonas envolventes. A esta transmissão, em simultâneo pelas três televisões, juntam-se também todas as rádios. O valor dos bilhetes vai inteiramente para aqueles que foram prejudicados pelo incêndio que deflagrou a 24 de junho.

 

   Felizmente, os canais generalistas portugueses juntaram-se para um bem maior. É a primeira vez que o fazem e merecem um aplauso por isso. Vão abdicar da suas programações para emitir um evento em simultâneo. Sabem que vão perder audiências, porque vão dividi-las, mas sabem também que é preciso ajudar.

 

   No outro dia assisiti a uma entrevista a Carminho. A fadista dizia que "somos rivais quando está tudo bem, quando está tudo mal somos parceiros", numa alusão à rivalidade no mundo artístico e focando-se neste evento. Esta é a frase que melhor define este gesto das televisões portuguesas, das rádios e dos artistas.

 

   Tenho ainda  de enaltecer a atitude da SIC na semana que passou. Na segunda e na sexta-feira, dedicou a programação das manhãs e das tardes à tragédia que assolou a zona centro do país.

 

   Durante dois dias, abdicou de ganhar dinheiro com as chamadas de valor acrescentado, para angariar dinheiro que será doado a quem precisa. Obviamente que houve uma exploração da tragédia para conseguir audiências.

 

   Neste caso não condeno. Que tenha tido conhecimento, mais nenhum canal teve a grandeza deste gesto, que correspondeu a uma generosa quantia monetária, mas que nem por isso gerou melhores audiências para a estação de Carnaxide. A SIC merece os parabéns por esta atitude.

 

   O concerto tem início pelas 21h00, no MEO Arena, e a receita obtida será entregue à União Das Misericórdias Portuguesas.

   O "Juntos Por Todos" é uma iniciativa civil, co-produzida pela Sons em Trânsito , Nação Valente, MEO Arena, Blueticket, RTP, SIC, TVI e artistas participantes. São eles: Agir, Amor Electro, Ana Moura, Aurea, Camané - Página oficial, Carlos do Carmo, Carminho, D.A.M.A, David Fonseca, Diogo Piçarra , Gisela João, Helder Moutinho Official , João Gil, Jorge Palma, Luisa Sobral, Luís Represas, Matias Damásio, Miguel Araújo, Paulo Gonzo, Pedro Abrunhosa, Raquel Tavares, Rita Redshoes, Rui Veloso Oficial, Salvador Sobral e Sérgio Godinho. Os bilhetes já estão esgotados, mas o "bilhete solidário" pode ainda ser comprado.

 

facebook.jpg

 

Salvador e Luísa sobem audiência da RTP

facebook.jpg

 

db8f20443bf95e31606397fd3e524384.jpg

 

A entrevista dos irmãos ao canal público, que foi para o ar esta terça-feira, foi seguida por cerca de 890 mil espetadores.

 

 

 

   A primeira entrevista de Salvador Sobral, após a vitória no Festival Eurovisão da Canção, fez com a que a RTP quase duplicasse a sua audiência às 21H00. O valor médio da estação no horário ronda os 4% ou 5% de rating.

 

   O especial conduzido por Vítor Gonçalves, e que contou também a presença de Luísa Sobral, registou uma audiência média de 8,5% de rating e 18,1% de quota de mercado.

 

   A entrevista foi o 6º. programa mais visto de terça-feira e o que melhor resultado registou na estação do Estado.

 

   Recorde-se que Salvador Sobral venceu, no passado dia 13 de maio, o Festival Eurovisão da Canção. A música "Amar Pelos Dois" foi escrita pela irmã, Luísa Sobral, e deu a Portugal a primeira vitória no certame internacional.

 

 

Lê também:

postsimples_fichatecnica_V2.png

Ficha Técnica com a "voz" da TVI: "Ganhei muito respeito pela minha voz"

postsimples_fichatecnica_V2.png

Ficha Técnica com Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

  

Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) para 23 de maio de 2017. Os números apresentados são da responsabilidade da GfK/CAEM.

 

facebook.jpg

 

 

 

Salvador amou primeiro para aprendermos a amar depois

   

facebook.jpg

 

05962541_9872a7434f89ff5cc8afcd5c232ce0ca.nbcnews-

 

   

   Muito se vai escrever e muito se vai dizer sobre a vitória de Salvador Sobral no Festival Eurovisão da Canção. Este é um texto de um jovem que segue, há vários anos, o espetáculo europeu. De alguém que percebeu desde o início a beleza de "Amar Pelos Dois", mas que achou que esta canção não era festivaleira o suficiente para nos dar uma boa classificação.

 

   Foi essa a lição que Salvador e Luísa Sobral me deram a mim e a muitos portugueses. Não precisamos de ser iguais ao que vemos, ou seguir padrões. Temos de ser fiéis a nós próprios, temos de dar aquilo que de melhor temos e, sobretudo, temos de gostar daquilo que é nosso.

 

   Depois da vitória na final nacional, aprendi a olhar aquela canção com outros olhos, com outros ouvidos. Aconteceu-me a mim e terá acontecido com tantos outros portugueses. Salvador amou primeiro para aprendermos a amar depois.

 

   Foi também preciso que os "outros" adorassem e dissessem que podíamos vencer para, só depois, nós a adorarmos e acreditarmos também.

 

   Pela primeira vez, quisemos ganhar, pela primeira vez, a RTP quis ganhar. Tivemos orgulho e juntámo-nos em redor desta canção. Isso fez também a diferença.

 

   Curiosamente, vencemos no ano seguinte de termos ganho o Europeu de futebol, na Ucrânica. Em 2005, o mesmo aconteceu com a Grécia. Venceu o Euro 2004 e, no ano seguinte, ganhou o Festival também em Kiev.

 

   A vitória de ontem vai mudar muitas coisas. Haverá outro respeito pelo Festival Eurovisão da Canção. Provavelmente, deixará de haver vergonha dos bons artistas portugueses em participar e haverá uma nova forma de pensar as participações nacionais.

 

   Mais uma vez, estamos nas bocas do Mundo pelas melhores razões. Parabéns Salvador! Parabéns Luísa! Parabéns RTP! Parabéns Portugal!

 

Artigo relacionado:

Festival é o programa mais visto de sábado

 

facebook.jpg