Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Blog de opinião sobre a televisão portuguesa

"Terra Nossa" sobe e ameaça Goucha

mw-1240.jpg

facebooknovo.jpg

 

Ao segundo episódio o programa da SIC subiu nas audiências e esteve na liderança das audiências durante vários momentos, na noite do passado domingo.

 

   O "Terra Nossa" conseguiu subir os resultados face à sua estreia. Na noite de ontem, o formato apresentado por César Mourão teve picos de liderança e terminou o dia em segundo lugar nas audiências. Os cerca de 1 milhão e 99 mil espectadores renderam à SIC uma quota de mercado de 22,7% e um rating de 11,3%.

 

   Apesar de ter perdido para a concorrência durante alguns períodos, o "Secret Story: O Reencontro" foi o programa mais visto de 3 de junho. Nos momentos iniciais em que teve a concorrência do "Terra Nossa", o spin-off da TVI registou 12,2% de audiência média e 24,4% quota de mercado. Querem estes valores dizer que Manuel Luís Goucha tinha fidelizados cerca de 1 milhão e 180 mil espectadores.

 

   Na RTP1, a estreia do filme "A Mãe é Que Sabe" não foi além dos cerca de 490 mil espectadores em média.

 

   O "Terra Nossa" está inserido na programação especial que a SIC preparou para acompanhar o "Mundial" de futebol de 2018. César Mourão percorreu várias localidades para conhecer as suas gentes e ouvir as suas histórias, com o objetivo de criar um espetáculo de stand-up comedy exclusivo em torno dos jogadores da seleção nacional.

 

Alguns dados apresentados são provisórios, da responsabilidade da CAEM/GfK e podem sofrer alterações. Incluem Vosdal.

facebooknovo.jpg

 

A Goucha o que é de Goucha

manuel-luis-goucha.jpg

 

facebooknovo.jpg

 

   A 7ª. edição do "Secret Story" não é um sucesso. Vence aos domingos, com uma cada vez mais uma curta distância para concorrência, vence no dia das "Nomeações", não muito longe de "Espelho D´Água" e, esporadicamente, lidera nos especiais emitidos ao longo do dia.

 

   Basicamente, o programa vence nos horários onde a TVI já vencia e os melhores resultados surgem nos momentos em que Manuel Luís Goucha está presente. A atravessar uma das melhores fases da sua carreira, o apresentador é, por si só, um captador de audiências.

 

   O "Secret Story" está gasto. A TVI e a Endemol, rainhas e senhoras do formato reality-show, estagnaram. Parece que já tudo foi inventado. Ambas esforçaram-se por fazer mais, mas nem sempre mais é sinónimo de melhor.

 

   É por estas razões que Goucha merece uma vénia. Com uma carreira de anos, sólida e já sem ter de provar nada a ninguém a não ser a si mesmo, aceitou o desafio de apresentar, pela primeira vez, um reality-show. Podia ter sido o principio do fim. Não foi. A graça certa no momento certo, a abordagem certa em momentos mais sensíveis e a classe que lhe é característica imprimiram às galas do "Secret Story" uma nova vida.

 

   A Goucha o que é de Goucha. Se a "Casa dos Segredos" tem algum sucesso, esse sucesso deve-se maioritariamente a ele.

 

facebooknovo.jpg

 

 

 

Manuel Luís Goucha apresenta "Secret Story 7"

facebooknovo.jpg

 

img_828x523$2017_02_26_12_25_18_39948_im_636323488

 

A escolha de Manuel Luís Goucha, para apresentar a nova temporada do reality-show, foi anunciada hoje.

 

 

   O apresentador do "Você na TV" foi o escolhido, pelo canal de Queluz de Baixo, para substituir Teresa Guilherme na apresentação de "A Casa dos Segredos".

 

   Várias hipóteses foram levantadas nos últimos meses, mas a decisão acabou por recair sobre Manuel Luís Goucha que, segundo o próprio, não demorou muito tempo a aceitar o convite.

 

   A versão portuguesa terá, pela primeira vez, um homem como anfitrião, tal como na versão francesa.

 

   Recorde-se que José Carlos Malato, da RTP, e João Baião, da SIC, terão sido convidados pela TVI para apresentar o formato.

 

   A sétima edição tem estreia apontada para o primeiro trimestre do próximo ano. Até lá, Manuel Luís Goucha terá ainda de gravar mais uma edição de "A Tua Cara Não Me É Estranha".

 

facebooknovo.jpg

 

 

O "até já" de Teresa

facebook.jpg

 

 

 

   Teresa Guilherme lançou um emotivo vídeo no seu site onde revelou que não vai apresentar mais reality-shows.

 

   O "até já" do meu título pode parecer estranho, mas não é! Eu não acredito que a apresentadora não volte a apresentar este género de formato. Esta decisão é uma vontade do momento, que se prende também com a vontade da TVI em não apostar, num futuro próximo, em "Secret Story", "Big Brother" ou afins.

 

   A ideia do canal de Queluz, ao que parece, é apostar em programas de caça-talentos que possam ter uma vertente de vigilância 24 horas por dia.

 

   Voltando a Teresa, não há ninguém em televisão tão genuíno como ela. Chora e ri quando tem vontade e irrita-se quando não gosta de algo.

 

   Ela e a TVI caíram no erro de se tornarem repetitivos. Caíram no erro de insistir em algo que já dava sinais claros de desgaste.

 

   Tanto a apresentadora como a estação precisam de algo novo, pelo menos para já.

 

   Duvido muito que Teresa Guilherme não volte ao ecrã no próximo semestre ou, o mais tardar, no próximo ano. Goste-se ou não, não deixa de fazer falta.

 

facebook.jpg

 

Doces e salgados

   

facebook

 

   Recentemente, a RTP1 e a SIC apostaram em programas de culinária no horário nobre.

 

 

   "A Minha Mãe Cozinha Melhor Que A Tua" foi o formato escolhido pelo canal do Estado para as noites de sábado e marcou o regresso de José Carlos Malato ao mais importante horário das televisões. O programa consiste, resumidamente, em colocar alguém que não sabe cozinhar a receber indicações de alguém que sabe. Ao final de 25 minutos de prova aquele que não sabe cozinhar tem de dar a provar um prato aos adversários e outro à jurada Filipa Gomes, vinda diretamente do 24 Kitchen.

 

   O concurso, até agora apenas com conhecidos/famosos, tem um prémio de 1000 euros que são entregues a uma Instituição escolhida pelo vencedor.

 

   O programa é uma boa aposta da RTP. É descontraído, divertido e dinâmico. Basicamente, aquilo que se quer para um sábado à noite. A estreia fez tremer os privados e subiu os números da estação pública, mas os resultados têm vindo a piorar semana após semana. 

 

programaçaoRTP.jpg

 

 

 

 

   A SIC apostou em "Best Bakery - A Melhor Pastelaria de Portugal" para as noites de domingo, no qual Ana Guiomar se estreou como apresentadora. O programa propõe-se a escolher, tal como o nome indica, a melhor pastelaria do país, correndo-o de lés a lés para a encontrar.

 

   É um erro. Não porque seja mau ou porque esteja mal feito. Só que, para concorrer com o "The Voice Portugal" e as galas do "Secret Story", a SIC precisava de bem mais. Isto porque lhe falta ritmo, falta-lhe drama, falta-lhe suspense, falta-lhe tudo o que a concorrência tem. Aliás, este formato faria muito mais sentido na RTP. Foi mais um tiro no pé do canal de Carnaxide que se afasta, cada vez mais, da concorrência aos domingos à noite. 

 

   Uma última nota positiva para Ana Guiomar que está a fazer um brilharete como apresentadora.

 

programaçaoSIC

 

   Em suma, os canais generalistas renderam-se a mais dois dignos programas culinários. Os resultados é que não estão a ser doces, sobretudo para a SIC.

 

facebook

 

"Secret Story 6" com estreia menos vista de sempre

facebook

 

 

   O reality-show da TVI estreou, este domingo, com uma média de cerca de 1 milhão e 208 mil espetadores.

 

   A sexta edição do "Secret Story" foi o programa mais visto de ontem, mas não se livrou de ter a estreia menos vista de todas as temporadas. 

 

   Com início às 21H12, o formato registou uma audiência de 12,5% de rating e 29,7% de share. A gala da TVI chegou mesmo a perder para a parte final das "Provas Cegas" do "The Voice Portugal".

 

   O programa da RTP1 registou mesmo uma subida em relação à estreia. Uma média de 1 milhão e 73 mil espetadores seguiu o talent-show do canal público (11,1% de rating e 23,7% de share).

 

   A SIC nunca se conseguiu impor, nem com "Smile", nem com "Rainha das Flores", e acabou por ficar em terceiro lugar no horário nobre.

 

   Fica a conhecer as audiências de todas as galas de estreia do "Secret Story":

 

   10/10/2010 - "Secret Story 1" - 15,5% de rating e 49,2% de share;

   18/09/2011 - "Secret Story 2" - 16,2% de rating e 46,9% de share;

   16/09/2012 - "Secret Story 3" - 21,6% de rating e 56,2% de share;

   29/09/2013 - "Secret Story 4" - 18.8% de rating e 43,1% de share;

   21/09/2014 - "Secret Story 5" - 17,1% de rating e 43% de share.

 

 

secret story6

 

facebook

 

O Templo de Diana

 

Que me desculpem os seguidores do blog a minha ausência mas o Carnaval de Torres Vedras, a minha cidade, chamou por mim.

 

Contudo, estive atento ao que se tem passado na televisão e a Diana Chaves é a primeira a merecer a minha atenção.

 

 

 

Destacou-se na apresentação do Salve-se Quem Puder! mas foi esquecida enquanto apresentadora.

 

 

A sua boa prestação não lhe valeu mais do que uma ou outra aparição esporádica na apresentação. Quase cinco anos volvidos voltaram a lembrar-se dela para a segunda edição do Achas que Sabes Dançar? e, mais uma vez, mostrou e mostra as suas capacidades.

 

Empenhada, segura, divertida, interventiva, boa comunicadora, jovem, bonita, Diana está no seu templo. A partir daqui não se podem nem se devem esquecer dela.

 

A SIC tem muitos rostos mas poucos capazes de cativar o público e com capacidade para segurar um horário nobre de domingo.

 

Infelizmente para Diana e para o programa a concorrência, sobretudo da RTP, está mais forte que nunca. Marco Horário, o seu antigo parceiro, está a fazer grandes resultados com o Got Talent Portugal e Teresa Guilherme continua a sua caminhada com o Secret Story - Desafio Final.

 

Mesmo ficando em terceiro lugar na audiências, Achas que Sabes Dançar? é um bom programa, com um bom júri, um bom cenário, bons concorrentes e uma boa apresentadora.

Entidade desregulada

 

 

É certo e sabido que o Secret Story da TVI é polémico e ninguém o esconde. É também do conhecimento de alguns que este e outros reality-shows são os que geram um maior número de queixas por parte do público a uma entidade, a ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

 

 

 

Confesso que não vi em direto a primeira emissão do Desafio Final 2 mas a curiosidade sobre tudo o que se escreveu nas redes sociais aguçou-me a curiosidade. Foi uma verdadeira rebaldaria! Discussões, arrufos de namorados, arrufos de ex namorados, asneiras e até a Teresa Guilherme lhe saiu um nome menos apropriado.

 

Eu digo asneiras, digo, mas isso não faz com que me apeteça ouvi-las na televisão ou com tanta frequência. Neste caso, a TVI tem de ter mais cuidado e Teresa não deve repetir a graçola, só lhe fica mal.

 

Claro que esta emissão em particular gerou inúmeras queixas, com razão, só não argumentem que existem crianças a ver porque essas já deviam estar na cama ou, pelo menos, a ver outro programa mais digno.

 

E onde está a ERC nestes casos?

 

Pois, pelos vistos ainda está na 2ª. edição do programa que remonta ao ano de 2011. A ERC está ainda preocupada com supostas cenas de sexo entre Cátia, Carlos e Cleide.

 

Neste caso, ao invés de uma multa que podia chegar aos 37.500 euros, a TVI foi apenas repreendida. Ou seja, a entidade que regula este tipo de situações está com cerca de três anos de atraso em relação a tudo o que se passa na televisão. Pelo menos, só esta terça-feira chegou este parecer ao órgãos de comunicação social. Se estivessem em cima do acontecimento, provavelmente as televisões teriam mais cuidado com os conteúdos que transmitem.

 

Uma coisa também é certa. Só vê a Casa dos Segredos quem quer!

Estratégias, estreias e resultados

 

 

Esperei que a maioria das estreias dos canais generalistas acontecessem para englobar tudo num post e comentar as estratégias e os seus resultados.

 

 A RTP1 surpreendeu ao colocar a sua novela portuguesa low-cost, Os Nossos Dias, num horário onde há muitos anos não existiam, às 12H00. A aposta não me pareceu má mas, até agora, ainda não conseguiu convencer nas audiências.

 

Com esta medida, o canal do Estado encurtou a duração da Praça da Alegria depois de ter apostado na sua dupla mais forte, João Baião e Tânia Ribas de Oliveira, para as manhãs. Algo com pouca lógica.

 

Nas noites fez regressar o Quem Quer Ser Milionário? com Manuela Moura Guedes na apresentação, a maior surpresa da temporada. Fez bem. O que não correu da melhor forma foi a pergunta, com todas as hipóteses de resposta erradas, que eliminou uma concorrente. A RTP devia ter assumido o erro e repescar a concorrente. Não o fez e fez mal.

 

A SIC estreou, em pouco mais de um mês, seis novelas. Foi uma má gestão da grelha que lhe pode ter custado a liderança no horário nobre. Amor à Vida teve uma primeira semana com números arrebatadores que, com a chegada de Sol de Inverno, desceram a pique muito por culpa do horário mais tardio em que foi emitida.

 

A novela protagonizada por Rita Blanco e Maria João Luís chegou embalada pelos bons resultados do final de Dancin´Days mas foram sol de pouca dura.

 

A Guerreira estreou já depois das 23H00 encaixada entre cinco novelas no horário nobre. As audiências iniciais não foram tão animadoras como as das parceiras e, mesmo assim, têm vindo a descer.

 

Rosa Fogo voltou no horário de almoço do canal sem qualquer tipo de promoção e Senhora do Destino regressou no horário das 18H00, ambas com resultados não muito animadores. Se bem que esta última tem tendência para subir. Já Sangue Bom não está a conseguir segurar os bons resultados de Cheias de Charme e isso pode ser perigoso para SIC. Com um acesso ao prime-time mais fraco, o Jornal da Noite tem mais dificuldades em se impor e ajudar a restante programação. 

 

Diria que a verdadeira jóia da coroa foi o Factor X. Estreado este domingo, conseguiu vencer o concorrente Secret Story em toda a linha. Esta sim é a verdadeira vitória do canal de Carnaxide e um sinal de que o público pode estar cansado das gentes pouco "ortodoxas" que participam no reality-show da TVI.

 

Por falar em TVI, esta viveu e vive um grande dilema. Belmonte precisa de manter o principal horário onde, por pouca margem, tem vencido Sol de Inverno. O problema é que com essa opção A Casa dos Segredos vê-se atirada para segundo plano e isso pode prejudicar as galas aos domingos. Se a maioria do público não vê os concorrentes durante a semana, interessa vê-los só aos domingos?

 

Uma coisa é certa, com a RTP fora do campeonato, há muito tempo que não se assistia a uma "luta" tão renhida entre as privadas. Sol de Inverno e Belmonte andam taco-a-taco mas, mais tarde ou mais cedo, uma delas vai destacar-se.

 

Já aos domingos Factor X e Secret Story vão continuar a medir forças sem bem que aí parece-me que Teresa Guilherme vai acabar por levar a melhor.

Novidades ou falta delas



SIC e TVI já decidiram os novos programas que vão fazer parte das suas grelhas, sobretudo aos domingos.

 

 

 

 

 

 

 

 

Ainda este mês o canal da Carnaxide lança a dupla de Gosto Disto!, César Mourão e Andreia Rodrigues, para novas aventuras em Cante...Se Puder!, no original, Killer Karaoke. O programa vai colocar desconhecidos a cantar enquanto têm de ultrapassar por vários obstáculos.

 

Na TVI, Cristina Ferreira apresenta, pela primeira vez, um formato a solo em Dança com as Estrelas. Um formato com famosos e que não é muito diferente de Dança Comigo da RTP1.

 

A aposta da SIC não é má, o programa é novidade, divertido, uma boa opção para o verão mas não me parece que chegue para vencer o concorrente.

 

Em setembro o canal de Queluz de Baixo faz regressar Secret Story para a quarta edição. Na TVI sabem que é a única hipótese fiável para combater a ficção da concorrência. Concorrência essa que aposta numa dupla pouco provável, Bárbara Guimarães e João Manzarra, para comandar a versão portuguesa de X-Factor. Um concurso, também ele, uma versão, desta feita, de Ídolos.

 

Mais uma vez não existem grande dúvidas. A Casa dos Segredos não vai dar hipótese, isto porque os formatos de busca de talentos precisam de mais tempo de descanso. Era preciso outro tipo de programa para a SIC conseguir vencer ou sequer aproximar-se da TVI

 

São estas as novidades que aí vêm, ou melhor, a falta delas.