Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A caixa que já foi mágica

Blog de opinião sobre a televisão portuguesa

Deixem a Eurovisão portuguesa em paz!

e2bbdeadd61e6719cc403f4afb3cb0591_770x433_acf_crop

 

facebooknovo.jpg

 

   Escrevi este texto ao mesmo tempo em que estava a assistir à segunda semifinal do Festival Eurovisão da Canção 2018. 

   Não quero fazer deste um artigo de "bota abaixo" e muito menos escrever um texto daquilo que a RTP não fez ou devia ter feito. Quero antes fazer um elogio àquilo que foi capaz de construir.

   Com duas semifinais vistas, há duas conclusões que posso tirar: 

   A vitória de Salvador Sobral, em 2017, fez com que os países, sobretudo os do sul da Europa, apostassem em músicas na sua língua materna e que outros apostassem em canções com um teor menos "festivaleiro". Ou seja, alterou-se o paradigma daquilo que todos achávamos poder ser uma música vencedora. 

   Por outro lado, a exclusão dos painéis que permitiam a exibição de vídeos ao longo das atuações foi uma aposta ganha da RTP. A utilização de jogos de luz centrou a atenção na canção e muito menos naquilo que acontece em torno dela. 

   O canal português conseguiu, com o orçamento mais baixo dos últimos 10 anos, criar uma "Eurovisão" diferente. Essa diferença tornou-a numa das melhores edições da história recente.

   Não posso deixar ainda de comentar a prestação de Catarina Furtado, numa altura em que é alvo de duras críticas nas redes sociais e na imprensa pelo seu inglês. 

   Chocava-me se a apresentadora não soubesse utilizar bem o português. Não me choca nada se a sua pronúncia em inglês não é perfeita. 

   Catarina é uma das mais experientes apresentadoras portuguesas. Pautou a sua carreira pelo profissionalismo, aliado à sua elegância. Dedicou e dedica ainda parte do seu tempo e da sua vida a ajudar os outros como Embaixadora da Boa Vontade, nas Nações Unidas. Merece, por tudo isso, estar onde está. 

   Somos tão extraordinários a fazer bem, como aqui pudemos constatar, como somos tão exímios a criticar e a "botar abaixo" aquilo que outros fazem para elevar o nome de Portugal no Mundo.

   Parabéns RTP!

 

Leia também:

postsimples_fichatecnica_V2.png

 

Ficha Técnica com Nuno Carvalho.: "Acredito que a RTP está preparada para dar um espetáculo enorme na Eurovisão"

facebooknovo.jpg

 

 

 

Já conhece a concorrência de "O Jardim"?

 

img_650x412$2018_04_08_03_43_58_131832.jpg

 

facebooknovo.jpg

 

   O Festival Eurovisão da Canção de 2018 está a pouco mais de um mês de ser realizar, pela primeira vez, em Portugal. A 1ª. semi-final está marcada para dia 8 de maio, a 2ª. acontece a 10 de maio e a grande final realiza-se a dia 12 do mesmo mês.

 

   Entretanto, já foram apresentadas as 43 canções que vão estar a concurso na 63ª. edição do certame. Cláudia Pascoal e Isaura representam Portugal com "O Jardim" e serão as oitavas candidatas a entrar em palco na grande final. Mas quem é a concorrência das portuguesas? Conheça ou oiça de novo as canções de 2018:

 

   1ª. semi-final.:

 

Azerbaijão

 

Islândia

 

Albânia

 

Bélgica

República Checa

Lituânia

 

Israel

 

Bielorrússia

 

Estónia

 

Bulgária

 

Macedónia

 

Croácia

 

Áustria

 

Grécia

 

Finlândia

 

Arménia

 

Suíça

 

Irlanda

 

Chipre

 

   2ª. semi-final.:

Noruega

 

Roménia

 

Sérvia

 

São Marino

 

 

Dinamarca

 

Rússia

 

Moldávia

 

Holanda

 

Austrália

 

Geórgia

 

Polónia

 

Malta

 

Hungria

 

Letónia

 

Suécia

 

Montenegro

 

Eslovénia

 

Ucrânia

   

   Final (Apurados diretamente).:

Alemanha

 

Espanha

 

França

 

Itália

 

Reino Unido

 

   Segundo as casas de aposta, Israel é a grande favorita à vitória do Festival Eurovisão da Canção de 2018. Portugal está, neste momento, na 17ª. posição. 

Portugal

 

facebooknovo.jpg

 

Saiba tudo sobre o "Festival da Canção 2018"

26993254_10155231923372057_5739403194841257438_n.j

 

facebooknovo.jpg

 

 

   Acabaram-se os segredos. A RTP já deu a conhecer tudo sobre o "Festival de Canção 2018". Descubra os cantores, compositores, apresentadores e jurados.

 

apresentadores_grupo_02-860x507.jpg

 

   Jorge Gabriel e José Carlos Malato apresentam a 1ª. semi-final, no dia 18 de fevereiro, nos estúdios da RTP.

   Nesse dia sobem ao palco os seguintes cantores:

 

   Catarina Miranda - "Para Sorrir Não Preciso de Nada" (Júlio Resende) 
   Joana Espadim - "Zero a Zero" (Benjamim) 
   Rita Dias - "Com Gosto Amigo" (Rita Dias) 
   Janeiro - "(sem título)" (Janeiro) 
   José Cid & Gonçalo Tavares - "O Som da Guitarra É a Alma de Um Povo" (José Cid) 
   Beatriz Pessoa - "Eu Te Amo" (Mallu Magalhães) 
   Anabela - "Para Te Dar Abrigo" (Fernando Tordo) 
   Bruno Vasconcelos - "Austrália" (Nuno Rafael) 
   Rui David - "Sem Medo" (Jorge Palma) 
   Peu Madureira - "Só Por Ela" (Diogo Clemente) 
   JP Simoões - "Alvoroço" (JP Simões) 
   Joana Barra Vaz - "Anda Estragar-me os Planos" (Francisca Cortesão) 
   Maria Amaral - "A Mesma Canção" (Paulo Praça) 
 
 

16_9-860x507.jpg

 

 
   A segunda semi-final é apresentada por Tânia Ribas de Oliveira e Sónia Araújo, a 25 de fevereiro. As músicas, os autores e os intérpretes são os seguintes:
 
   Tamin - "Sobre Nós" (Capicua) 
   Dora Fidalgo - "Arco-Íris" (Miguel Ângelo) 
   Peter Serrado - "Sunset" (Peter Serrado) 
   Minni & Rhayra - "Patati Patata" (Paulo Flores) 
   David Pessoa - "Amor Veloz" (Francisco Rebelo) 
   Maria Inês Paris - "Bandeira Azul" (Tito Paris) 
   Daniela Onis - "Para Lá Do Rio" (Daniela Onis) 
   Diogo Piçarra - "Canção do Fim" (Diogo Piçarra) 
   Lili - "O Voo das Cegonhas" (Armando Teixeira) 
   Rita Ruivo - "Anda Daí" (João Afonso) 
   Cláudia Pascoal - "O Jardim" (Isaura) 
   Sequin - "All Over Again" (Bruno Cardoso) 
   Susana Travassos - "A Mensageira" (Aline Frazão) 
 

32847827852_fec4cc48de_k-860x507-1516278187.jpg

 

 
   Júlio Isidro será, novamente, o presidente do júri. Para o acompanhar estarão também presentes Carlão, Sara Tavares, Luísa Sobral, Ana Bacalhau, António Avelar Pinho, Tó Zé Brito, Ana Markl e Mário Lopes.
 
   A Grande final está marcada para dia 4 de março e vai reunir 14 canções selecionadas ao longo das duas semi-finais. Filomena Cautela e Pedro Fernandes vão estar em direto do Pavilhão Multiusos de Guimarães. 
 

facebooknovo.jpg

 

 

 

Salvador dá minuto mais visto do dia à RTP

facebook.jpg

 

salvador-1-850x567.jpeg

 

A semi-final do Festival Eurovisão da Canção registou, ontem na RTP1, uma média de 946 mil espetadores.

 

   

   Salvador Sobral subiu ao palco do Kiev, na Ucrânia, para interpretar o tema "Amar Pelos Dois". Esse momento valeu à RTP1 o minuto mais visto do dia. Ás 20H46, no momento é que o português cantou, o canal do Estado registou uma média de 12,4% de rating e 28,2% de quota de mercado.

 

   A primeira semi-final rendeu à estação pública uma média de 9,8% de rating e 22,7% de share, tornando-se no 6º. programa mais visto de terça-feira. 

 

   Na mesma faixa horária, o "Jornal das 8" e "Ouro Verde", da TVI, foram vice líderes. Já os programa das SIC, "Jornal da Noite", "Amor Maior" e "Espelho D´Água" ficaram-se pela terceira posição.

 

   Também ontem o site da RTP registou o maior número de visitas desde o "Euro 2016".

 

   Salvador Sobral sobe novamente ao palco da Eurovisão no próximo sábado para representar Portugal.

 

Artigos relacionados:

Salvador a caminho da vitória - "13 Reasons Why"

Milagre de 13 de maio

 Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) para 09 de maio de 2017. Os números apresentados são da responsabilidade da GfK/CAEM.

facebook.jpg

 

Salvador a caminho da vitória - "13 Reasons Why"

facebook.jpg

 

4.jpg

 

Salvador Sobral sobe hoje ao palco da Eurovisão para representar Portugal.

 

 

   Terça-feira é o primeiro grande dia para "Amar Pelos Dois" (vê o último ensaio). A música que representa Portugal no Festival Eurovisão da Canção de 2017 é a nona a apresentar-se na primeira semi-final. 

 

   Salvador Sobral, o interprete, é um dos grandes favoritos à vitória da final do próximo sábado.

 

   Há 13 razões, numa clara inspiração numa das séries mais badaladas do momento, "13 Reasons Why" (Por 13 razões), para Portugal vencer o certame pela primeira vez.

 

   Umas são mais plausíveis que outras, mas não deixam de ser razões.

 

   Conhece a lista:

 

   1º. Conchita Wurst, vencedora do Festival em 2014, e uma das mais badaladas vencedoras até aos dias de hoje, elogiou a música do representante português através do Twitter;

 

   2º. Nunca uma canção portuguesa tinha estado no segundo lugar das preferências dos apostadores para vencer o Festival;

 

   3º. As melhores posições que Portugal conseguiu no concurso foram conseguidas com músicas cantadas em português. "Amar pelos dois" é cantada integralmente na língua de Camões;

 

   4º. A doença cardíaca de Salvador Sobral é um tema que marca a sua participação. Seja em que país for, todos adoram um bom drama;

 

   5º. Loreen, vencedora em 2012, foi participante do programa "Ídolos", não tinha televisão e nunca tinha visto o festival. Salvador também ficou conhecido no mesmo formato e afirmou, em entrevista à RTP1, que não vê televisão nem segue o espetáculo anual;

 

   6º. A grande final é no dia 13 de maio. Nessa data comemoram-se os 100 anos das supostas aparições de Fátima. A vitória de Portugal na Eurovisão seria um novo milagre. No mesmo dia, o Sport Lisboa e Benfica poderá torna-se novamente campeão nacional de futebol. Portugal manteria, assim, a tradição de ser o país do "fado, de Fátima e do futebol";

 

Lê também:

postsimples_fichatecnica_V1.png

Tiago Brochado: "Lembro-me muitas vezes da morte do Fehér"

 

   7º. A comunicação social internacional está rendida a "Amar Pelos Dois" como nunca antes tínhamos visto. O jornal inglês "Metro" escreveu que "o mundo está a apaixonar-se pelo melhor candidato português de sempre", referindo-se ao jovem de 27 anos;

 

   8º. Além da comunicação social internacional, também a portuguesa está interessada na participação nacional como há muitos anos não estava ou, provavelmente, como nunca esteve. Todos os dias há novas notícias sobre tudo o que envolve o país na Eurovisão;

 

   9º. Se as pesquisas no motor de busca "Google" contassem, a canção portuguesa arrecadaria, pelo menos, o 5º. lugar;

 

   10º. Mesmo com Luísa Sobral, irmã de Salvador, a assumir os dois primeiro ensaios, Portugal subiu posições nas casas de apostas e encurtou a distância para a Itália, que está em primeiro lugar;

 

   11º. Na "red carpet", Salvador Sobral foi o penúltimo a desfilar. Segundo o ditado: " Os últimos são os primeiros".

 

   12º. O penteado do cantor e músico é igual ao de Éder. O jogador marcou o golo que deu a vitória à seleção portuguesa no Europeu de futebol em 2016.

 

17098217_10207859374433580_5697359014241356166_n.j

 

   13º. Pela primeira vez, desde 1964, os portugueses acreditam que o país pode ganhar o Festival Eurovisão da Canção. Também, em muitos anos, sentem orgulho no representante e na música escolhida. Quando nos unimos, juntamos e mostramos que temos orgulho em ser aquilo que somos, ninguém nos bate.

 

   

   Portugal sobe ao palco hoje, depois das 20h00, para tentar apurar-se para a final do próximo sábado.

   A RTP1 vai transmitir o certame em direto nos dois dias.

 

Artigos relacionados:

"Milagre de 13 de maio";

"A concorrência de Salvador";

"Final Inteligente".

facebook.jpg

 Atualização: (09-05-2017 às 13H13)

A concorrência de Salvador

facebook.jpg

 

 

Os apostadores colocam a música de Salvador Sobral como a quinta candidata com maior hipótese de vencer em Kiev.

 

 

   Desde que venceu o Festival da Canção da RTP, Salvador Sobral é notícia, quase todos os dias, nos jornais nacionais. Além disso, encheu salas em concertos, colocou o seu disco nos "top´s" e internacionalmente também não passou despercebido. Caiu em graça e não deixa de ser engraçado. 

 

   A verdade é que, nas casas de apostas, Salvador está em quinto lugar como favorito à vitoria. Nas chamadas "odds" ou "probabilidades", o concorrente português já foi quarto classificado. 

 

   "Amar pelos dois" foi a escolha dos portugueses para representar o país no Festival Eurovisão da Canção.

 

   Na frente da corrida ao primeiro lugar do pódio está a Itália. Francesco Gabbani é o grande candidato à vitória, na opinião dos apostadores, reunindo também a preferência nos sites dedicados ao certame.

 

   Logo a seguir ao transalpino está Kristian Kostov, da Bulgária. Em terceiro lugar está a Suécia, representada por Robin Bengtsson e, em quarto lugar, está Blanche, pela Bélgica.

 

   Apesar das boas graças para a final de 13 de maio, Portugal tem ainda de se apurar na 1ª. semi-final que está marcada para dia 9 do mesmo mês. 

 

   Conhece as músicas que estão na frente de "Amar pelos dois", segundo os apostadores:

 

Itália:

 Bulgária:

 Suécia:

Bélgica:

 Portugal:

 

facebook.jpg

 

 

Enquanto não souberem

facebook.jpg

 

Viva La Diva

 

   O "Festival Da Canção" regressou este domingo para a primeira semi-final. Estava envolto em esperança depois das promessas de renovação por parte de quem o idealizou.

 

   Afinal, não foi nada disso. Não percebi onde está a inovação e a renovação. É que não chega trazer sangue novo para o festival se depois as músicas ainda cheiram a naftalina.

 

   Enquanto não souberem o que é o "Festival Eurovisão da Canção" não vamos sair deste buraco. E será que não sabem ou será que não querem saber?

 

   Em oito músicas, houve uma capaz de ser uma boa representante no certame internacional. Justamente a número oito e a justa vencedora desta primeira semi-final.

 

   Numa rápida incursão por todas as músicas tenho a dizer o seguinte: a primeira foi um falhanço incrível; na segunda não consegui perceber o que as meninas cantavam; na terceira tinham a boa voz de Fernando Daniel, deram-lhe uma música fraquinha e ainda por cima com instrumental altíssimo; Deolinda Kinzimba cantou a quarta música e não souberam utilizar o seu potencial; a canção número cinco foi um bocejo; a número seis foi uma boa tentativa e a canção número sete é bonita mas não serve.

 

   Em suma, o regresso do "Festival da Canção" foi uma montanha que pariu um rato. Já agora, falta ainda deixar uma nota negativa para Sónia Araújo e José Carlos Malato na apresentação.

 

facebook.jpg

 

 

A vitória da derrota

A seleção portuguesa deixou o Euro 2012 de cabeça erguida, depois de se debater com a Espanha.

 

A SIC foi o canal que transmitiu a partida que parou o país. Desde 2004 que não havia uma audiência televisiva tão grande como a desta semi-final.

 

O jogo foi, em média, visto por cerca de três milhões e setecentos espectadores. Portugal X Espanha tornou-se no segundo programa mais visto da televisão portuguesa desde 1994, altura em que se começaram a medir audiências. Na frente está apenas a partida entre Holanda e a equipa das quinas no Euro 2004.

 

Às 21 horas e 35 minutos Miguel Veloso viu um cartão amarelo, aos 92 minutos e 28 segundos de jogo, tornando-se esse o minuto mais visto da noite.

 

81,6% do espectadores ligados à televisão viram os 13 minutos correspondentes às grandes penalidades.

 

Recorde-se, num post anterior, que o jogo entre Holanda e Portugal, transmitido pela TVI, tinha retirado o único programa, dos cinco mais visto de sempre, que não um jogo da seleção. O final da novela A Próxima Vítima, transmitido pelo canal de Carnaxide, estava na 5.ª posição e, com estes dois jogos, passa agora para o 7.º lugar. Mas não foi só no nosso país que esta partida fez história.

 

Em Espanha, através da Telecinco, o jogo entre as duas nações da Península Ibérica tornou-se no programa mais visto de sempre da televisão daquele país.

 

A seleção portuguesa é uma das alegrias de um povo que tem poucas razões para sorrir. Mais uma vez, o país uniu-se e esqueceu tudo o resto. Apesar da tristeza pela derrota sofrida, o orgulho de nos tornarmos gigantes, quando somos pequenos, vale mais que duas ou três finais.